Você está em: Home NACIONAL Cesta básica em Fortaleza ficou 6,7% mais barata em 2017, diz Dieese


Os produtos que compõem a cesta básica ficaram mais baratos em 2017 em Fortaleza. A soma dos 12 itens custava, em média, R$ 394,19 em dezembro de 2016; 12 meses depois, em dezembro do ano passado, os mesmos produtos custavam, no total, R$ 367,45. A redução é de 6,78%. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (5) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). 

O produto que mais contribuiu para a queda no preço da cesta básica foi feijão, que teve redução de 51% no intervalo de 12 meses. Conforme o Dieese, 4,5 quilos de feijão eram comprados a um preço médio de R$ 33,89 em dezembro de 2016 e R$ R$ 16,56 em dezembro do ano seguinte.
Também tiveram forte queda o açúcar (-26,98%), leite (-11,24) e arroz (-10,32%).

Preço e redução no país

Porto Alegre teve a cesta básica mais cara do país (R$ 426,74), seguido por São Paulo (R$ 424,36), Rio de Janeiro (418,71) e Florianópolis (R$ 418,61). Já os valores mais baixos foram observados em Salvador (R$ 316,65), João Pessoa (329,52) e Natal (R$ 331,18). 

A maior redução ocorreu em Belém (-13,70%) e a menor, em Aracaju (-2,70%). 

O Dieese calcula o valor do salário mínimo necessário para suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, com base no valor da cesta básica. 

G1
Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire