Você está em: Home NACIONAL Venda de veículos usados cresce 6,5% em 2017 com ajuda dos mais 'velhinhos'


O volume de negociações de veículos seminovos e usados no Brasil fechou o ano de 2017 com crescimento de 6,5%, na comparação com 2016, de acordo com dados divulgados pela federação de revendedores (Fenauto) nesta terça-feira (2). 

A entidade registrou a comercialização de 14.212.673 veículos em 2017, ante 13.348.992 unidades no ano anterior. Este é o segundo ano consecutivo de alta, embora o índice de 2016 tenha sido bem próximo da estabilidade (+0,21%). 

Todas as categorias por "tempo de uso" cresceram, mas os modelos mais "velhinhos", de 9 a 12 anos e com mais de 13 anos, tiveram as maiores altas percentuais. 

Usados e seminovos mais negociados

  1. Volkswagen Gol - 91.900 unidades
  2. Fiat Uno - 54.669 unidades
  3. Fiat Palio - 53.915 unidades
  4. Ford Fiesta - 34.360 unidades
  5. Chevrolet Celta - 33.302 unidades
  6. Chevrolet Corsa - 26.713 unidades
  7. Volkswagen Fox - 26.201 unidades
  8. Fiat Siena - 24.526 unidades
  9. Toyota Corolla - 21.595 unidades
  10. Ford Ka - 19.897 unidades

Saindo da crise

As vendas de veículos novos também devem fechar 2017 em recuperação, com estimativa de avanço entre 7% e 9,9%, segundo expectativas das montadoras (Anfavea) e das concessionárias (Fenabrave), respectivamente. 

Será o primeiro ano de alta para modelos 0 km desde 2012. Os dados oficiais serão divulgados ainda nesta semana. 

G1

Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire