Você está em: Home CEARA Pesquisador de Guaraciaba do Norte: Imagem em 3D mostra rosto mais realístico de Dom Pedro I

 
Sobral. "Sempre admirei a figura de Dom Pedro I, um liberal para sua época, defensor do pensamento constitucional, em detrimento ao absolutismo". Com este pensamento sobre a figura emblemática, conhecida por todos apenas pelas imagens oficiais retratadas e reproduzidas à exaustão nos livros de História do Brasil, que fincou pé na antiga Terra de Santa Cruz e, em desobediência à corte portuguesa, disse que ficaria no Brasil, em 9 de janeiro do ano em que proclamaria a Independência do País, o advogado e professor universitário José Luís Lira resolveu, aproveitando-se da tecnologia atual, realizar um antigo sonho: saber como eram os traços fisionômicos do Imperador, se ele parecia com seus tetranetos, ou mesmo com as imagens e estátuas que o representam.

A curiosidade de menino, enfim, se uniu ao olhar apurado do pesquisador, do cientista que busca por respostas baseadas nos fatos. "Diminuíram o valor histórico e político que Dom Pedro I tinha. Após a Independência, ele foi aclamado por todas as câmaras municipais brasileiras, o Imperador e defensor perpétuo do Brasil. Por quê nos privarmos da verdadeira imagem dele?", questiona o pesquisador, nascido em Guaraciaba do Norte, na Serra da Ibiapaba, no Norte do Estado.

Resgate

"A mim, essas e outras eram perguntas que não queriam calar", reforça o professor da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), em Sobral, cidade polo do Norte do Estado, ao descrever outros talentos do imperador, além de seu lado aventureiro, que por várias vezes o fez cair de cavalos, causando fraturas no nariz, reconhecidas e consideradas ao longo do processo de recriação de seu rosto.

O homem apaixonado; o musicista, que compôs e executou diversas músicas ao lado de sua esposa, Dona Leopoldina; o autor da música do Hino da Independência do Brasil; o Duque de Bragança, após abdicar o trono português, em favor de Dona Maria II, sua filha, que teve seu reinado garantido por conta do pai, que lutou para isso, e foi aclamado o "Rei Soldado"; enfim, descortinar todo o legado, até em parte, deixado de lado pela própria História. Um resgate possível com apoio e ajuda dos descendentes do Imperador, ligados à Família Real Brasileira.

Pesquisa

Em 2015, após a reconstrução dos rostos de Maria Madalena e de Santa Paulina, Luís Lira e o amigo Cícero Moraes, designer catarinense, referência no campo da reconstrução facial forense no Brasil, resolveram encarar o novo desafio. Os pesquisadores entraram em contato, por meio de amigos em comum, com Dom Luís de Orleans e Bragança e o irmão dele, Dom Bertrand de Orleans e Bragança, tetranetos de Dom Pedro I, além de primeiro e segundo, respectivamente, na linha de sucessão ao trono brasileiro.

Os parentes do imperador autorizaram a fazer a reconstituição. Com o aval da Casa Imperial do Brasil, ao longo das buscas por material, Luís Lira encontrou uma fotografia do crânio do monarca, realizada em 2012 por Maurício de Paiva, da Revista National Geographic Brasil, durante a exumação dos restos mortais do imperador, na cripta localizada no bairro do Ipiranga, zona sul de São Paulo. À época, o trabalho serviu a um estudo científico realizado pela Universidade de São Paulo (USP). Com os direitos de uso da fotografia adquiridos pelo advogado, o designer Cícero Moraes conseguiu realizar a reconstituição.

Particularidade

Entre as particularidades encontradas ao analisar as imagens, como a possibilidade de o monarca ter seu nariz fraturado, por exemplo, Lira conta que o material colhido foi encaminhado ao perito legista Marcos Paulo Salles Machado, chefe do Serviço de Antropologia Forense do Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro. Sem saber que se tratava do crânio do imperador, o legista atestou em seu laudo, além do sexo, cor, idade aproximada, tipo físico e outros detalhes, como sua etnia, por exemplo, que "a pessoa em questão", segundo o advogado, "tinha um desvio no nariz, que não era natural. Podendo ter sido causado por quedas de cavalo. O que foi confirmado pelos familiares de Dom Pedro I, durante as constantes trocas de informações ao longo do processo de reconstituição da face do primeiro imperador do Brasil, morto em 1834, pouco antes de completar 36 anos.
O projeto durou cerca de três anos, quando o resultado foi apresentado ao público, após a aprovação final dos irmãos Orleans e Bragança.

Caracterização

Na imagem, o imperador aparece com olhar firme e cabelos característicos da época em que viveu, além de usar o Colar da Ordem do Tosão de Ouro do Reino da Espanha, ordem de cavalaria fundada em 1429, por Filipe III, Duque da Borgonha.
Dom Pedro também usa diversas comendas de Grão-Mestre de ordens imperiais, entre elas, a de Dom Pedro Primeiro, Fundador do Império do Brasil, e Ordem do Cruzeiro Real.
A imagem também traz a faixa da Imperial Ordem do Cruzeiro e da Imperial Ordem de Pedro Primeiro, unificadas na cor verde com listras brancas.

Ainda, segundo José Luís Lira, "após ser apresentada à família imperial e divulgada ao mundo, a imagem será mostrada no XXVIII Encontro Monárquico Nacional, realizado no mês de junho deste ano, no Rio de Janeiro. Lá, será apresentada em uma exposição mais ampla e detalhada, acredito", adianta o pesquisador, sobre o evento realizado pela Casa Imperial do Brasil, que reúne os apoiadores da Monarquia de todo o País.

Diário do Nordeste
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire