Você está em: CEARA // Notícia de Anselmo Bandeira // 3 de dezembro de 2018

 

Um crime bárbaro chocou os moradores de Santa Quitéria na madrugada deste domingo (02). Uma jovem foi morta a facadas por seu namorado, após uma discussão, na Fazenda Jardim.

Segundo informações obtidas pelo A Voz de Santa Quitéria, Carliane Barbosa Teixeira, 34, estava em uma festa, acompanhada de seu companheiro, Elias Possidônio de Farias, 36. Após saírem do evento, Carliane e Elias discutiram rapidamente e em seguida, ele a golpeou com várias facadas, vindo a óbito no local.

Os populares que estavam próximos da cena do crime, ao ouvirem gritos de socorro correram, mas a jovem já estava morta. Indignados com o ato, amarraram o acusado até a chegada da Polícia Militar, que conduziu o mesmo para a Delegacia Regional de Polícia Civil, em Canindé, onde foi autuado em flagrante. Elias confessou a motivação do crime, por ciúmes da vítima.
O corpo foi removido para o Instituto Médico Legal de Canindé, onde deverá ser liberado nas próximas horas.

A Voz de Santa Quitéria apurou ainda, segundo pessoas próximas ao casal, que ambos já vinham em um relacionamento bastante conturbado, culminando na forma bárbara que interrompeu a vida da jovem.

De acordo com o comandante da 3ª Companhia de Polícia Militar, Tenente Diogo, o acusado deverá ficar recolhido na Cadeia Pública de Santa Quitéria.
Este é o segundo feminicídio registrado neste ano no município.




A Voz de Santa Quitéria
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire