Você está em: NACIONAL // Notícia de Anselmo Bandeira // 7 de fevereiro de 2019

 Além disso, o Presidente da Câmara defende uma reforma administrativa e não permitirá a abertura de novos concursos na Casa enquanto não forem aprovadas novas regras


Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou que a articulação para a votação da reforma da Previdência é prioritária na Casa em relação ao pacote de combate ao crime sugerido por Sergio Moro.

Maia deu entrevista ao Jornal das 10, da GloboNews, na noite da última quarta-feira (07).Ele afirmou que os dois projetos devem andar paralelamente na Câmara, mas disse que "se a gente antecipar esse debate (sobre a proposta de Moro), podemos contaminar o da Previdência".
Para ele, o texto de Moro deve passar por mais comissões e debates na Câmara.Indefinições sobre a reforma da Previdência têm incomodado partidos alinhados à pauta na Câmara. Um dos problemas ouvidos é exatamente de que o Planalto estaria querendo patrocinar projetos demais neste início de legislatura.
Maia afirmou ser a favor de uma regra de transição mais curta no texto da reforma da Previdência. "Trabalhar até 62 anos sem transição, não é problema nenhum. Conseguimos trabalhar até 80 anos ou 65 anos", afirmou.
Para o presidente da Câmara, é possível chegar a uma reforma sem prejudicar os trabalhadores mais pobres, que para ele são os que já trabalham até os 65 anos. Maia disse que, se o governo conseguir formar uma base aliada na Casa, a reforma da Previdência conseguirá ser votada até a segunda quinzena de maio.
O deputado criticou a ideia de antecipar a votação da reforma por meio de mudanças no texto discutido durante o governo de Michel Temer.
"Se marcarmos a votação para esse mês, a possibilidade de um resultado contrário seria muito grande. Se fizer isso, vamos transformar o plenário em um campo de guerra."
A princípio, a possibilidade de recomeçar o processo não agrada o mercado financeiro, que coloca na conta os riscos políticos que podem surgir no caminho com prazos estendidos.
Entusiasta do ajuste fiscal, Maia deverá ser o grande fiador das mudanças nas regras de aposentadoria e pensões, segundo aliados na Câmara. Na última terça (05), ele se reuniu com a equipe econômica e carimbou seu nome na articulação da reforma ao dizer que, "quando (a proposta) chegar na Câmara, a responsabilidade será minha".
Durante a entrevista à TV, Maia afirmou que tem se reunido com governadores de todos os estados em defesa da reforma da Previdência.

"A Câmara me deu uma responsabilidade muito grande com a votação que eu tive. Isso me obriga a liderar grandes votações", disse. Maia afirmou que não se trata de uma votação nem de esquerda nem de direita, mas que é necessária para todo o país.
SERVIDORES
Maia também defende uma reforma administrativa. "O orçamento brasileiro está capturado por organizações públicas e privadas, em detrimento da maioria da sociedade."
O presidente da Câmara afirmou que não permitirá a abertura de novos concursos na Casa enquanto não forem aprovadas novas regras. Ele defendeu ainda o fim da estabilidade no emprego público.
"Hoje não tem mais carreira (no setor público) porque em pouco tempo, o servidor chega ao teto máximo".


Diário do Nordeste
Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire