Você está em: NACIONAL // Notícia de Fagner Freire // 7 de fevereiro de 2019


O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, sobrevoou nesta quinta-feira (7) áreas atingidas pela chuva , que deixou seis mortos na capital, e criticou a falta de fiscalização dos municípios fluminenses em relação à ocupação irregular de terrenos. O governador classificou a situação de  abandono e afirmou que o problema se arrasta há décadas. 

"O que pude constatar de Guaratiba até o início da [Avenida] Niemeyer é que toda a encosta tem uma ocupação desordenada. Isso é fruto de abandono da organização urbanística da cidade", disse Witzel . "O resultado, infelizmente, são essas tragédias a que estamos assistindo".

Segundo o governador, a Defesa Civil estadual contabiliza 80 mil famílias vivendo em áreas de risco no Rio de Janeiro. "É preciso que os prefeitos façam o seu dever de casa. Eles têm que fiscalizar, notificar, retirar essas pessoas e planejar novas áreas de expansão imobiliária."

O governador antecipou que esse planejamento será tratado na Câmara Metropolitana do Rio de Janeiro, fórum que vai reunir prefeitos de 22 municípios e representantes do governo do estado. Ainda neste mês, começarão a ser divulgadas as datas das reuniões. 

Ele disse ainda que será apresentado em breve o projeto do programa Comunidade Cidade para as favelas do Vidigal e da Rocinha, áreas duramente atingidas pelo temporal desta quarta-feira (6).
"A Cedae [Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro] vai alocar R$ 500 milhões em recursos para que possamos abrir ruas com saneamento básico naquela região, fazer a remoção das áreas mais criticas e contar com a colaboração da própria comunidade para construir essas edificações ao longo da Rocinha", informou o governador.

O secretário de Defesa Civil do estado, Roberto Robadey, pediu que a população fique atenta aos alertas emitidos pelo órgão. Robadey pediu que os moradores do estado enviem uma mensagem SMS com seu CEP para o número 40199. A partir desse cadastro, eles serão alertados sobre situações de risco nos arredores. 

"Enquanto não conseguimos remover todas essas famílias [em áreas de risco], o que não vai acontecer da noite para o dia, é preciso que elas acompanhem os alertas de Defesa Civil e busquem um lugar seguro que as prefeituras oferecem, ou mesmo a casa de parentes ou amigos, até que a situação de risco passe", acrescentou o secretário de Wilson Witzel .
 


*Com Agência Brasil
Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire