Você está em: NACIONAL // Notícia de Anselmo // 11 de abril de 2019

Quando esta estrela explodiu, um planeta sobreviveu à catástrofe. Agora, os cientistas encontraram parte dele a orbitar a anã branca em que a estrela se transformou. O Sistema Solar vai acabar assim.

Esta estrela devia ser semelhante ao Sol. O planeta Marte também pode ser poupado à explosão (University of Warwick/Mark Garlick)
Uma parte de um planeta que sobreviveu à explosão da estrela à volta da qual orbitava foi encontrada a 400 anos-luz da Terra. Um novo relatório publicado esta quinta-feira na revista Science dá conta da descoberta de um planeta morto a orbitar uma anã branca — o cadáver de uma estrela com a massa semelhante à do Sol — num sistema estelar semelhante ao nosso. Este mundo distante, que só conseguiríamos alcançar se viajássemos durante 400 anos a uma velocidade de 300 milhões de metros por segundo, representa o destino a que o Sistema Solar está condenado. Encontrá-lo é como olhar para o nosso futuro.
Quando as estrelas com a mesma massa que o nosso Sol esgotam todo o combustível que lhes faz brilhar, a matéria que as constitui colapsa à conta da força gravítica e transforma-se em anãs brancas. No momento em que explodem, todos os planetas que a orbitam são dizimados e reduzidos a meros escombros, tal como vai acontecer com a Terra quando o Sol esgotar todo o hidrogénio no núcleo e morrer. Foi este o cenário que uma equipa de cientistas da Universidade de Warwick encontrou quando o explorou o céu noturno com o Grande Telescópio das Canários, um dos maiores observatórios do mundo.
No meio dessa nuvem de poeiras em redor da anã branca, os cientistas encontraram uma flutuação no comprimento de onda da luz emitida pelo disco de escombros. Era uma flutuação pequena que aparecia de duas em duas horas, indicando que havia algum corpo celeste a orbitar aquele cadáver estelar a uma grande velocidade. Esse corpo celeste, especulam os cientistas, deve ser a parte de um planeta que se destruiu, mas apenas parcialmente, com a explosão da estrela.
Sabe-se muito pouco sobre esse corpo celeste. Pela flutuação que provoca, estima-se que tenha um raio de 400 quilómetros, ou seja, o tamanho de Ceres, o maior asteroide do Sistema Solar. O facto de surgir entre a Terra e a anã branca a cada duas horas também indica que orbita o cadáver estelar a uma distância muito curta dele. Tão curta que só pode ser feito de um material muito resistente, como o ferro ou um metal pesado como os que compõem os planetas rochosos do Sistema Solar, ou então seria engolido pela anã branca. E o rasto de gás que surge atrás dele pode ser provocado quando colide com outras partículas à volta da anã branca.
Este pedaço de planeta que os cientistas britânicos encontraram pode ser o fim a que o planeta Marte pode estar condenado dentro de cinco mil milhões de anos, quando o Sol evoluir para uma estrela gigante vermelha e depois explodir para se transformar numa anã branca. No momento em que isso acontecer, os três primeiros planetas rochosos — Mercúrio, Vénus e Terra — devem ser transformados em pó pela proximidade que têm ao Sol. Marte, no entanto, está longe o suficiente para ser um pouco mais poupado.
Observador
Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire