Você está em: NACIONAL // Notícia de Anselmo // 18 de julho de 2019

  Julian Romero diz que sobreviveu por milagre e está com medo de andar pela área de mata da fazenda onde trabalha, em Porto Murtinho: "Já vi muita onça na região, mas jamais pensei que seria atacado".





Julian se recupera após ser atacado por onça-pinta em fazenda de Porto Murtinho. — Foto: Anselma Benitez/Reprodução


Julian Romero, de 58 anos, que foi salvo por cinco cachorros ao ser atacado por uma onça-pintada em Porto Murtinho (MS), conversou com o G1 na tarde dessa quarta-feira (17). Ele é funcionário em uma fazenda e disse que, apesar de sempre ver onças na propriedade rural, nunca havia sido atacado. Julian afirma que sobreviveu por milagre:
"Agora eu fico com medo de andar pela área porque quase perdi a vida, tenho que agradecer muito aos meus cachorros, eles são meus heróis" relembra, aliviado.
    
Julian conta que na hora do ataque foi tudo muito rápido e que ficou por um momento desacordado assim que a onça pulou sobre ele, derrubando-o. Ele acordou sentindo as patas dela sobre as costas e, pelo peso do animal, percebeu que poderia morrer. Neste momento, os cães começaram a latir e espantaram a onça, que fugiu.
"Eu estava sangrando muito e minha camisa ficou toda rasgada. Me lembro que os cachorros chegaram a correr atrás dela e depois levantei bem devagarzinho, porque estava perdendo sangue e me sentindo muito fraco."
A esposa de Julian, Anselma Benitez, de 57 anos, disse que eles estão fazendo curativos em casa e que o marido está se recuperando bem. Apesar do susto, é grata pela presença dos cães ao lado do esposo naquele dia: "Agradeço a Deus e aos meu cachorros".

Julian relata que estava a cavalo na fazenda acompanhado pelos cães quando sentiu mau cheiro na área de mata e foi verificar do que se tratava:

"Eu fui cedo levar sal no coxo para as vacas e vi uns urubus sobrevoando a mata, desci do cavalo e quando vi era uma anta morta. Logo em seguida a onça pulou nas minhas costas", relembra. Julian levou um tapa e uma mordida nas costas.

O médico que atendeu o homem informou que ele teve quatro perfurações na região das costas e só conseguiu chegar 8 horas depois ao hospital de Porto Murtinho.

Onças atacam para proteger sua caça O presidente da Organização Não-Governamental (ONG) Panthera, Leonardo Avelino, explica que a onça pode ter interpretado a presença dos 5 cães como uma "concorrência" alimentar para a caça que protegia: "As onças costumam ficar agressivas com a proximidade de cães, a razão do ataque pode ter sido justamente a presença deles", afirma. Segundo o coronel Queiroz da Polícia Militar Ambiental (PMA), em duas outras ocasiões, funcionários de uma fazenda foram verificar mau cheiro e foram atacados por onças também, porque especialmente a onça-pintada defende seu alimento: "Ela mata a presa, depois fica se alimentando e vigiando essa carne. Essa é uma das formas em que ela pode atacar o ser humano, porque a onça-pintada não encara um ser humano adulto como uma presa, ela tende a se afastar, mas para defender seu alimento ou seus filhotes ela pode atacar", explica.


G1
Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire