Você está em: CEARA // Notícia de Fagner Freire // 13 de setembro de 2019


Na manhã da última quarta-feira (11), em meio ao difícil sentimento da morte de um parente, familiares e moradores da Caponga, distrito de Cascavel, Região Metropolitana de Fortaleza, foram surpreendidos ao encontrar os portões do único cemitério da região fechados e sem funcionários que pudessem abrir as grades. Para que o corpo fosse sepultado, eles tiveram de quebrar o cadeado e arrombar o portão do local. 

Os parentes, indignados, gravaram um vídeo, que tem sido compartilhado nas redes sociais. Nas imagens, uma mulher critica a situação. 

"Que falta de organização! Preciso enterrar um ente querido e o portão do cemitério está com cadeado. É preciso arrombar o portão. Não tem uma pessoa aqui, um coveiro. Isso é um absurdo!", reclamou. O G1 não localizou as pessoas que aparecem nas imagens.

Em nota, a prefeitura de Cascavel afirma que recebeu o cemitério da antiga gestão em estado de descuido e abandono. 

“Não existiam funcionários. Desde a outra gestão a chave do local ficava com um senhor da localidade que ia abrir os portões sempre que tinha necessidade. Uma equipe da infraestrutura fez uma limpeza no local, deixou pronto para receber a pintura. Por falta de diálogo da equipe e o senhor, a chave não foi deixada no local de costume. A prefeitura já está providenciando a contratação de um funcionário fixo para abrir todos os dias o cemitério de 06h às 20h”, diz o texto.

 


(G1/CE)
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire