Você está em: NACIONAL // Notícia de Fagner Freire // 16 de outubro de 2020

 


O tipo sanguíneo pode aumentar os riscos de uma pessoa ter covid-19 e de sofrer maiores complicações durante o tratamento da doença. É o que sinalizam as investigações de cientistas canadenses e dinamarqueses. Em duas pesquisas publicadas na revista Blood Advances, eles mostram como analisaram o perfil de infectados pelo novo coronavírus e perceberam um número menor de pessoas com sangue tipo O entre os pacientes. Os especialistas também detectaram um número maior de complicações mais severas entre indivíduos com sangue A e AB. Para eles, as descobertas poderão ajudar no desenvolvimento de melhores abordagens médicas.

O papel do tipo sanguíneo na previsão do risco e das complicações da infecção pelo Sars-CoV-2 ainda é pouco conhecido. Em busca de respostas, pesquisadores compararam os dados do registro de saúde de mais de 473 mil dinamarqueses que testaram positivo para a covid-19 e mais de 2 milhões de pessoas sem a enfermidade (grupo controle). Eles encontraram, nos infectados, um número menor de pessoas com tipo sanguíneo e um maior de pessoas com tipos A, B e AB.

Novas análises levaram à conclusão de que pessoas do grupo O têm 13% menos risco de serem acometidas pela covid-19. Por outro lado, o grupo A tem 9% mais de possibilidade de ter a enfermidade, e o AB, 15 %. A taxa do grupo B não foi significativa. A equipe não encontrou diferença significativa na taxa de infecção entre os tipos A, B e AB. “Dentre esses três subtipos, nenhum deles obteve taxas consideradas muitos altas, que apontasse um risco maior do que os outros”, ressaltam no artigo.


Os pesquisadores explicam que as distribuições dos grupos sanguíneos variam entre os subgrupos étnicos. Isso fez com que eles se mantivessem atentos à etnia dos analisados durante o estudo. “A prevalência do tipo sanguíneo pode variar consideravelmente em diferentes grupos étnicos e diferentes países. A Dinamarca é um país pequeno, mas, muito diverso etnicamente, isso fez com que nós conseguíssemos fazer uma triagem adequada para manter uma base sólida das nossas análises”, afirma, em comunicado, Torben Barington, pesquisador da University of Southern Denmark e um dos autores do estudo.

UTI

Em outra investigação, pesquisadores do Canadá observaram que os grupos sanguíneos A e AB parecem estar associados a um risco maior de complicações geradas pela covid-19. Os cientistas examinaram dados de 95 pacientes — todos hospitalizados em Vancouver devido a complicações da doença. Aqueles que pertenciam aos dois grupos sanguíneos ficaram mais tempo na unidade de terapia intensiva (UTI), necessitaram de mais diálise para tratar insuficiência renal e demandaram mais o uso de ventilação mecânica.

“Observamos esses danos nos pulmões e nos rins e, em estudos futuros, queremos investigar o efeito do grupo sanguíneo e da covid-19 em outros órgãos vitais.” Esses dados são de particular importância à medida que continuamos a atravessar a pandemia (…) Precisamos de mais armas que ajudem a aumentar as chances de cura”, afirma, em comunicado, Mypinder S. Sekhon, pesquisador da Universidade of British Columbia e um dos autores.

David Urbaez, infectologista do Laboratório Exame, em Brasília, explica que, com o surgimento de uma nova enfermidade, é normal tentar detectar uma possível influência do tipo sanguíneo. “Os grupos sanguíneo sempre têm implicações importantes nesse quesito, seja no ponto de vista genético, seja em relação às proteínas presentes no glóbulo vermelho. Esses fatores podem influenciar o fator de virulência de uma infecção e a sua mortalidade. Eles são também uma marca registrada dos seres humanos, e é normal que possam estar correlacionados à evolução de uma enfermidade”, detalha.

O médico ressalta que os resultados das pesquisas precisam ser aprofundados. “Tudo isso é uma frente inicial de pesquisa, que, com certeza, continuará. Os dados vistos até agora apontam para essa possível suscetibilidade em pessoas do grupo A, mas precisamos que isso seja mais estudado. Temos que saber por que isso ocorre a nível molecular, qual o fator que pode fazer essa diferença”, justifica.


O infectologista também acredita que, caso a relação entre o tipo sanguíneo e a vulnerabilidade à covid-19 seja comprovada, novas formas de tratamento poderão surgir. “Nós já sabemos de algumas características de pacientes que podem ter maiores complicações, e isso já mudou muito a forma como é feito o atendimento. Essa pode ser uma informação que se some a esses outros dados e, no futuro, poderemos ter alguma outra intervenção médica, como um medicamento que ajude a minimizar esse risco”, diz.

(Correio Braziliense)

Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire