Você está em: CEARA // Notícia de Fagner Freire // 9 de novembro de 2020

 


O trânsito de pessoas entre Fortaleza e o interior do Ceará reduziu de forma considerável, desde o início da pandemia, diante das medidas de isolamento social. Porém, um tipo de viagem nunca cessou: a de pacientes vindos de outros municípios para buscar tratamento contra a Covid-19 na capital. Entre março e outubro, foram 1.921 transferências, uma média mensal de 240 infectados pelo novo coronavírus buscando atendimento em leitos públicos específicos.

Os dados são da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), extraídos dos Sistemas UniSUS Web e FastMedic, e mostram ainda que o período no qual se concentrou maior fluxo de transferências foi o pico da pandemia em Fortaleza: em maio, 407 pessoas vieram de outras cidades cearenses à Capital, quantidade que subiu e atingiu pico de 679 transferências no mês seguinte. Só em maio e junho, então, foram 1.086 pacientes deslocados, 56,5% do total registrado até outubro.

Os Hospitais Leonardo Da Vinci, privado e aberto pelo Estado durante a pandemia; Batista Memorial, unidade também privada e com leitos requisitados pela Sesa; e São José, referência no tratamento de doenças infecciosas no Ceará, foram os três que mais receberam esses pacientes transferidos, que chegam, comumente, em veículos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ou em ambulâncias municipais, providenciadas pelas prefeituras, de acordo com a Sesa.

A demanda gerada pela Covid-19 se somou, aliás, a uma já existente - e grande. Em 2019, uma média de 767 pessoas por mês saiu dos municípios de origem para atendimento médico de diversas especialidades em Fortaleza, totalizando 6.140 transferências de janeiro a dezembro.

Já neste ano, nos dois meses de pico pandêmico, por exemplo, 1.499 pacientes vieram do interior à capital cearense: 677 em maio, 822 em junho. No total, então, somando pacientes com coronavírus e com outras patologias, 2.585 foram transferidos apenas no auge de casos da nova virose.

Um deles foi o agricultor aposentado João Malaquias dos Santos, de 83 anos, que lutou para manter o coração funcionando enquanto voava, de helicóptero, de Itapipoca para Fortaleza, uma distância média de 150 km - que se percorrida de ambulância, seria sentença de morte para o doente.

No caminho, o peito parou duas vezes de bombear o sangue, sendo reanimado pelos médicos até chegar ao Hospital do Coração de Messejana (HM), na Capital, como narra a filha do idoso, Rosimeire dos Santos, 34.

Os problemas cardíacos de Malaquias, ela relembra, se agravaram no primeiro semestre deste ano, quando o tratamento precisou ser interrompido diante da pandemia de Covid-19. Com uma crise de dor, falta de ar e tosse somada a ausência de um equipamento de saúde próximo que atendesse às necessidades complexas, o agricultor teve de ser transferido à Capital - processo que, para Rosimeire, foi determinante para o falecimento dele, apenas dois dias depois da internação.

"Ir daqui pra Fortaleza é muito complicado: tem que esperar UTI, vaga em hospital, é uma complicação muito grande. No caso dele, foi até rápido, só que eu acho que era o dia dele de partir mesmo, aquele 28 de junho. Mas com certeza se ele tivesse tido a assistência que ele precisava em Itapipoca, ainda poderia estar com a gente", opina a filha, afirmando que até hoje não sabe ao certo qual foi a causa da morte do pai: se Covid, se coração ou se as duas coisas, já que "ambas apareciam no laudo". Questionada, a assessoria do Hospital do Coração de Messejana disse à reportagem que a informação é restrita à família.

Todas as transferências de pacientes vindos de cidades do interior do Ceará para leitos públicos ou custeados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), conforme a Sesa, "ocorrem por meio do sistema de regulação estadual, sendo que o município de Fortaleza possui um sistema próprio de regulação para as unidades hospitalares municipais e, quando necessário, se integram com o sistema estadual".

 

 

(Diário do Nordeste)

Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire