Você está em: CEARA // Notícia de Anselmo // 19 de novembro de 2020




A Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) publicou, na manhã desta quinta-feira (19), uma nota oficial comunicando que o Ceará, nos últimos 15 dias, tem tido problemas no processamento das amostras dos exames moleculares da Covid, os RT-PCR, devido a dificuldades por parte da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), vinculada ao Ministério da Saúde (MS). A instituição, conforme a Sesa, processa uma parcela dos testes realizados no Estado. Ao todo, há pelo menos 3.664 exames represados na Fiocruz. O órgão, diz a Sesa, se comprometeu a liberar ainda hoje 1.740 exames e outros 1.924 até sábado (21).


A Sesa informa que a Central Analítica da Fiocruz processa parcela importante dos exames do Ceará e "vem passando por contratempos decorrentes da lentidão do Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL), equipamento também ligado ao MS".


Esse equipamento informatiza e conecta os laboratórios que fazem análises de interesse à saúde pública. Na nota, a Secretaria explica que o Governo Federal justifica a lentidão como sendo um efeito dos ataques de hackers aos servidores do Ministério da Saúde no início do mês.


Uma das ações de contingência é fazer com que as novas amostras de exames da Covid só sejam enviadas à Central Analítica da instituição a partir da próxima segunda-feira (23). Até lá, os exames serão encaminhadas ao Laboratório Central de Saúde Pública do Ceará (Lacen).


Diário do Nordeste

Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire