Você está em: CEARA // Notícia de Anselmo // 26 de janeiro de 2021








Dois corpos humanos foram encontrados nesta segunda-feira (25) na faixa de areia da Praia da Leste-Oeste, localizada entre os bairros Pirambu e Moura Brasil, na zona Central de Fortaleza. O mistério em torno dos crimes está sendo investigado pela Polícia. As autoridades ainda não têm a certeza se há ligação entre os dois casos, porém apura várias “coincidências”.


Para começar, a Polícia constatou que os dois homens foram encontrados nus. Os corpos estavam separados a cerca de 500 metros. O de homem negro, estatura mediana, forte, foi localizado na faixa de areia no Pirambu. O outro, de um homem aparentemente com mais de 50 anos, estava nas proximidades da Estação de Tratamento de Esgoto, na Avenida Leste-Oeste.


O primeiro foi encontrado ainda na madrugada. O segundo, quando o dia amanheceu. Nos dois casos, policiais do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) compareceram aos locais juntamente com equipes de peritos e auxiliares da Perícia Forense do Ceará (Pefoce). Nenhuma das vítimas foi identificada nos locais onde os corpos foram deixados pelos assassinos.


Policiais que trabalham naquela região não descartaram a possibilidade de os homens terem sido mortos na Favela do Oitão Preto e os corpos “desovados” na praia como forma de despiste. Os cadáveres continuam na Coordenadoria de Medicina Legal (Comel) à espera de reconhecimento.


(Blog Fernando Ribeir)
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire