Você está em: NACIONAL // Notícia de Anselmo // 2 de maio de 2021

Ray Reyes, ex-integrante do grupo Menudo, morreu aos 51 anos. O anúncio foi feito por Raül Reyes, irmão do cantor, através de uma publicação nas redes sociais, na noite desta sexta-feira (30).

"Com uma dor enorme em minha alma que informo que meu amado irmão Ray Reyes morreu. Peço que nos deem privacidade para digerir toda essa situação e por favor orem por nossa família, principalmente por nossa mãe", escreveu Raül.

"Também peço para que nunca se esqueçam de seu legado. Hoje, mais do que nunca, precisamos nos unir e nunca deixarmos de expressas todo o amor e carinho que sentimos pelos outros. Este é mais um ensinamento do universo."

A causa da morte não foi divulgada. Segundo a imprensa internacional, o músico morreu em sua casa, em Toa Baja, Porto Rico, para onde Raül embarcou nesta madrugada, segundo publicou em seu Facebook.

Ray Reyes ingressou no Menudo em 1983, substituindo Xavier Serbiá. Ele deixou a banda dois anos depois, aos 15 anos, iniciando carreira solo.

Em 1998, Ray se reuniu com outros integrantes do Menudo para uma celebração do 15º aniversário do grupo. Outros reencontros aconteceram nos anos seguintes. A turnê mais recente entre eles, intitulada "Súbete a Mi Moto Tour", teve uma pausa em 2019 por conta da pandemia de coronavírus.

A agência responsável pela turnê também confirmou a morte de Ray através de um comunicado publicado nas redes sociais.
 
O POVO

 

Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire