Você está em: CEARA // Notícia de Fagner Freire // 29 de junho de 2021

 


Um homem de 36 anos que estava detido no sistema penitenciário cearense teve como causa da morte asfixia mecânica por estrangulamento, segundo o atestado de óbito. Osmar Bezerra de Oliveira morreu no dia 12 de junho deste ano, mas a família e o advogado do preso tomaram conhecimento do fato apenas seis dias depois.

O Diário do Nordeste teve acesso à Declaração de Óbito (DO), assinada por um médico e chancelada pelo Ministério da Saúde, que ficou pronta no dia seguinte à morte, 13 de junho. A família de Osmar ainda não recebeu o laudo pericial sobre a morte.

Questionada, a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) também informou que ainda não teve acesso ao laudo pericial e manteve a versão de que Osmar Bezerra se sentiu mal no Centro de Triagem e Observação Criminológica (CTOC), em Itaitinga, na noite de 12 de junho, e foi levado para atendimento médico no posto de enfermagem do presídio.

A Pasta acrescenta que o interno "teve seu óbito constatado pela ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) no local e recebeu inspeção da Perícia Forense (Pefoce) no local do ocorrido". 

"Por fim, a SAP esclarece que, assim como qualquer óbito que ocorra no sistema prisional cearense, foi aberto um processo administrativo interno para apurar o caso e todas as informações e espaços físicos abertos para as investigações necessárias", completa.

 

 


(Diário do Nordeste)

Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire