Você está em: CEARA // Notícia de Anselmo // 31 de dezembro de 2021



Com a introdução da variante Ômicron do novo coronavírus e a expectativa de aglomerações durante as festas de fim de ano, o Ceará tem “grandes chances” de enfrentar uma terceira onda da pandemia ainda antes do carnaval de 2022. O alerta consta no informe epidemiológico do Centro de Inteligência em Saúde do Ceará (Cisec), divulgado nesta quinta-feira, 30. O estudo aponta que, embora o Estado esteja em uma situação considerada relativamente confortável, a velocidade de propagação da nova cepa aliada à negligência de parte da população com as medidas de prevenção à doença, representam uma combinação perigosa para um possível novo surto de Covid-19 no território cearense.

O órgão ressalta que, embora o Governo do Estado tenha proibido públicos, a tendência é que as aglomerações aconteçam com maior frequência em espaços fechados, onde a disseminação do vírus pode ocorrer com mais facilidade. “A experiência mostra que apesar do desestímulo à realização de eventos públicos de Réveillon e de Pré-Carnaval e Carnaval, a população organiza eventos privados nos quais aglomerações e comportamentos de risco são muito frequentes”, frisou o documento.

Ainda segundo o Cisec, assim como em 2020, não há previsão de que haja o surgimento de um novo ciclo endêmico da Covid-19 no Ceará nas primeiras semanas de janeiro. Contudo, o prognóstico indica que o possível efeito negativo das comemorações de fim de ano seja percebido em meados de fevereiro, poucos dias antes do período carnavalesco, que vai do dia 25 até 1º de março. O cenário é atribuído, principalmente, à possibilidade de alta disseminação da Ômicron, já detectada em três viajantes que desembarcaram no Aeroporto Internacional de Fortaleza.

Em relação ao cenário epidemiológico atual, o levantamento mostra predomínio de situação estável nos 184 municípios cearenses. Os registros de novos casos e de óbitos em decorrência da Covid-19 permanecem abaixo da média endêmica, aquela observada durante o intervalo entre a primeira e a segunda onda da doença no Estado.

Entre 25 e 29 de dezembro, o Ceará acumulou média móvel de 45,8 novos registros diários de contaminações. Foi o menor índice para um intervalo de cinco dias desde o começo da pandemia, conforme ilustram gráficos disponibilizados no estudo. No mesmo período, duas mortes foram registradas. Atualmente, a taxa de letalidade, que mede a proporção de óbitos para o universo total de contaminados, é de 0,6%.


O POVO
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire