Você está em: MUNDO // Notícia de Fagner Freire // 4 de abril de 2022

 Veículos blindados russos destruídos são vistos na cidade de Bucha, a oeste de Kiev, nesta sexta (4) — Foto: Aris Messinis/AFP

Depoimentos de moradores de Bucha detalham as atrocidades cometidas pelas tropas russas durante pouco mais de um mês de ocupação. Vários líderes ocidentais e a ONU pedem que a Rússia seja julgada por crimes de guerra, mas Moscou nega qualquer responsabilidade no massacre. 

Mais de 400 corpos de civis foram recolhidos das ruas de Bucha nos últimos dias, tomada pelas forças russas em 27 de fevereiro. A cidade foi palco dos piores combates desde que a Ucrânia foi invadida pela Rússia, em 24 de fevereiro.

Com a retirada recente dos soldados russos do local, os bombardeios cessaram e cenas macabras foram descobertas, como cidadãos mortos com as mãos amarradas nas costas, cadáveres de motoristas esmagados por tanques dentro de seus carros e dezenas de pessoas jogadas em valas comuns. 

Imagens de satélite mostram escavação de valas comuns em Bucha, na região de Kiev — Foto: Maxar via Reuters

Imagens de satélite mostram escavação de valas comuns em Bucha, na região de Kiev — Foto: Maxar via Reuters

Alguns moradores ajudam a recolher os corpos pelas ruas e não escondem o horror ao reconhecer familiares e amigos entre as vítimas. Anatoliy Fedoruk, prefeito desta cidade que tinha 36 mil habitantes antes da guerra, aponta Moscou como o responsável pelo massacre. Equipes de jornalistas puderam fazer imagens no local e conversaram com os sobreviventes.

"Tenho medo que eles voltem", diz uma moradora de Bucha, sob anonimato, à reportagem da TV francesa France 2. "Todas as pessoas que estavam nas ruas foram mortas. Estávamos aterrorizados para sair, porque se os russos nos viam, atiravam na gente", diz.

Entre os mortos, pessoas de bicicleta, várias delas, idosas. "Eles paravam as pessoas sem nenhuma razão e as assassinavam", afirma um outro morador, que afirma ter visto vizinhos serem perseguidos e serem alvo de foguetes.

Mulher caminha por rua da cidade ucraniana de Bucha, próximo a Kiev, no dia 3 de abril de 2022 — Foto: Mikhail Palinchak/Reuters

Mulher caminha por rua da cidade ucraniana de Bucha, próximo a Kiev, no dia 3 de abril de 2022 — Foto: Mikhail Palinchak/Reuters

Líderes evocam crimes de guerra

O secretário-geral da ONU, António Guterres, se disse "profundamente chocado" com as atrocidades cometidas em Bucha. Segundo ele, uma investigação internacional deve apontar os responsáveis pelo massacre. 

Vários líderes ocidentais classificam a descoberta como crime de guerra. O presidente francês, Emmanuel Macron, pediu que a justiça internacional seja acionada. "O que aconteceu em Bucha exige um novo rol de sanções e medidas claras", disse em entrevista à rádio France Inter.

Homem é fotografado ao lado de uma cova em Bucha, na Ucrânia — Foto: REUTERS/Mikhail Palinchak

Homem é fotografado ao lado de uma cova em Bucha, na Ucrânia — Foto: REUTERS/Mikhail Palinchak

O vice-chanceler e ministro da Economia da Alemanha, Robert Habeck, denunciou, no domingo (3), um "terrível crime de guerra" em Bucha e também pediu novas sanções econômicas por parte dos países da União Europeia (UE) contra a Rússia. 

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, evocou um possível "genocídio" na cidade. Ele denunciou uma "agressão injustificada" da parte do presidente russo, Vladimir Putin, "que trouxe a guerra para as portas da União Europeia".

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, fez um apelo em prol da criação de uma comissão de investigação internacional. "Esses massacres sangrentos cometidos pelos russos, por soldados russos, merecem ter classificados pelo que são. É um genocídio e precisa ser julgado", declarou. 

O Reino Unido também alertou que não permitirá que "a Rússia esconda o seu envolvimento nessas atrocidades por meio de desinformação cínica". Em um comunicado, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou que as imagens de Bucha "são uma prova a mais que Putin e seu exército cometem crimes de guerra na Ucrânia".

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, classificou os autores das mortes como "assassinos, torturadores, estupradores e ladrões".

"O mal absoluto invadiu nossas terras", afirmou, pedindo que "todos os dirigentes da Federação Russa vejam como suas ordens são executadas".

 

 

(g1)

Caderno: MUNDO
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire