Você está em: NACIONAL // Notícia de Anselmo // 22 de maio de 2022





A Polícia Civil do Distrito Federal indiciou o personal trainer Eduardo Alves por lesão corporal, após o episódio em que ele bateu no ex-morador de rua Givaldo Alves de Souza. Caso será encaminhado para o Ministério Público, que avaliará se a denúncia é cabível.


A investigação foi concluída pela 16ª Delegacia de Polícia (Planaltina). Givaldo, que foi visto tendo relações sexuais com a mulher de Eduardo, não foi indiciado por nenhum crime.


Em nota, Eduardo Alves se defendeu de que a agressão só ocorreu porque ele acreditou que a mulher dele estivesse sendo estuprada. Ela disse à polícia que a relação havia sido consensual, mas, segundo Eduardo, ela estava em um "surto psicótico", sem condições de consentir uma relação.


Ao jornal Metrópoles, os advogados Mathaus Agacci e Anderson Almeida, que representam Givaldo Alves, afirmaram que “não houve estupro de vulnerável”.


“Na realidade, as investigações foram concluídas apontando Givaldo tão somente como vítima de brutais e covardes agressões perpetradas por Eduardo Alves de Sousa, que restou indiciado pelo crime de lesões corporais”.


Para a defesa do ex-morador de rua, Givaldo não tinha como perceber a enfermidade psiquiátrica da mulher no momento do ocorrido.


Fonte: Diário do Nordeste

Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire