Você está em: NACIONAL // Notícia de Fagner Freire // 18 de julho de 2022

 Foto: (Reprodução)

 Um crime chocante, vítimas revoltadas e um médico no banco dos réus por estupro de vulnerável.

    “O agente se aproveita da vulnerabilidade da vítima. Esse estado de vulnerabilidade da vítima, nesse caso, é a sedação. Ela estava desacordada”, diz a delegada Bárbara Lomba.

Foi assim, desacordada, que outra mulher ficou logo depois de dar à luz. O marido já tinha sido retirado da sala com o bebê.

Fantástico: Quem pediu para você sair?
Marido: O Giovanni.
Fantástico: O que ele falou para você?
Marido: Pediu para 'mim' se retirar, porque ali, daquele momento ali, ia ser com a equipe médica. Aí naquele momento, eu me retirei junto com o técnico que saiu com meu filho. E dali eu não tive mais acesso à ela.

Era a terceira cesariana dela e, dessa vez, a sedação foi muito maior.

    “Eu já não estava conseguindo falar mais, porque assim que ele saiu, eu já fui ficando mais mole, mais sedada. Aí ele falou que ia me dar uma anestesia geral. Tomei e não consegui mais lembrar de nada. Apaguei”, diz a mulher.

Ela conta que, quando ouviu as notícias do estupro cometido por Giovanni Bezerra, reconheceu o anestesista e procurou a Delegacia da Mulher.

Fantástico: Você tem dúvidas do que pode ter acontecido com você?
Mulher: Eu tenho dúvidas e isso me incomoda bastante.

Denúncias

Foram pelo menos seis denúncias até agora. Só no domingo (10), quando Giovanni foi flagrado estuprando uma paciente durante o parto, ele participou de três cesarianas.

O Fantástico teve acesso ao depoimento da mulher que passou pela primeira cirurgia de cesárea com o anestesista naquele dia.

    “O roupão caiu e ela percebeu que o anestesista tinha olhado para seus seios e em seguida perguntado se ela estava com frio. A mulher acredita que o enfermeiro também tenha notado, porque pegou o roupão e jogou nos ombros dela”, diz o documento.

O Fantástico também teve acesso ao depoimento do marido da mulher que passou pelo segundo parto de domingo. Ele disse que queria voltar para junto da esposa, que era perto de 13h, mas só conseguiu vê-la por volta das 19h.

Quando chegou à enfermaria, a sogra dele disse que a filha tinha dito umas coisas estranhas, e que ele deveria saber; que a mulher tinha contado que quando acordou estava com um gosto muito ruim na boca. Os dois depoimentos também relatam anestesias muito mais fortes do que o comum.

'Você também quer?'

Uma das enfermeiras que prestaram depoimento conta que questionou Giovanni Bezerra sobre a sedação, e que ouviu de volta: ‘Por quê? Você também quer?’.

Outra enfermeira disse à Polícia Civil que o anestesista estava em pé perto da cabeça da vítima com o pênis ereto, e que Giovanni Bezerra na mesma hora fechou o capote.

Após os dois partos, a equipe do plantão de enfermagem se organizou para descobrir exatamente o que estava acontecendo e produzir provas.

O Fantástico entrou, com exclusividade, na sala de cirurgia onde Giovanni Quintella Bezerra foi gravado estuprando uma paciente. É uma sala de pouco mais de 30 metros quadrados, onde estavam cinco pessoas na hora do parto e mais a mulher que dava à luz.

As salas são mais ou menos parecidas, a diferença é o tamanho: ela é maior do que as outras e é a única que tem um armário de vidro escuro, que foi fundamental no flagrante do crime de estupro. Foi ali que a equipe de enfermagem escondeu o celular. O aparelho foi posicionado exatamente em frente ao anestesista e a cabeça da paciente. Eles estavam separados do resto da equipe por um lençol.

O Hospital da Mulher de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, é certificado como hospital amigo da criança, o que quer dizer que tem protocolos mais rígidos de assistência às mães. Os enfermeiros da equipe passaram a desconfiar do anestesista há cerca de um mês, justamente porque ele não seguia alguns desses protocolos.

Vídeo tem 1h30 de duração


Maria Aparecida de Lima é gerente de enfermagem no Hospital da Mulher, chefe do grupo que gravou o estupro.

    “E quando se verificou que a sedação era mais prolongada e a gente não conseguia atingir, justamente, o contato de pele com a criança para que a mãe pudesse observar esse filho e pudesse iniciar a amamentação da primeira hora de vida, eles começaram a estranhar”, conta.

O vídeo inteiro que mostra o médico estuprando a paciente tem uma hora e meia de duração, e só foi visto pelos enfermeiros quando terminou a cirurgia. O crime aconteceu já no fim da operação, com o acompanhante já fora da sala de parto e a equipe médica ocupada com os procedimentos finais. Era a primeira vez que aquela equipe médica trabalhava com Giovanni.

Também tentamos contato com três integrantes da equipe de enfermagem envolvida na gravação do flagrante que permitiu a prisão de Giovanni Bezerra, mas nenhum quis gravar entrevista.


 

(g1)


Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire