Você está em: CEARA // Notícia de Edina Farias // 30 de julho de 2022

 Djanira (no centro da foto), manteve a tradição direitinho. Seus filhos (da direita para a esquerda): Nabucodonosor, Nabupolasar, Cleópatra e Elisa Paraguaçu. — Foto: Arquivo pessoal

"Sadraque é primo de Nabucodonosor, pai do Lameque, tio da Safira e avô do Ramsés." Pode até parecer uma frase tirada da bíblia, mas são os nomes de membros de uma família em Acopiara, no interior do Ceará. A família Feitosa tem como tradição colocar nomes fora do comum. Alguns foram inspirados em figuras bíblicas, egípcias, mitológicas e indígenas.

A tradição de registrar os filhos com nomes incomuns começou com o casal Antônio Alves Feitosa e Estelita Gonçalves da Costa, ainda na década de 30 do século passado. Juntos, Antônio e Estelita tiveram 16 filhos, dentre eles Otacílio, Maristela, Gefon, Djanira, Itagibe, Manacéis, Nédima e Mustafá.

Seguindo a tradição, alguns dos filhos de Antônio e Estelita também registraram seus descendentes com nomes diferentes. Djanira, por exemplo, teve Elisa Paraguaçu, Nabucodonosor, Nabupolasar e Cleópatra. Já Maristela teve Agarista, Selomite, Sadraque, Gedor, Gideone, Berenice, Jerusa, Gineton, Baruque, Cetura, Drusila, Lucrécia e Stela.

Da esquerda para direita: Antônio e Estelita, os 'culpados' pela tradicional de nomes incomuns; e o 'faraó egípcio' Ramsés, caçula da família — Foto: Arquivo pessoal

"Começou com minha avó, na intenção de colocar os nomes dos filhos que não fossem nomes assim muito comuns na época, embora ela tenha colocado nomes das filhas de Maria. Mas sempre tinha outro diferente. Maria Gerfon, Maria Guaraciaba, Maria Djanira, que é o caso da minha mãe. Aí os filhos começaram a fazer isso também", disse o filho de Djanira com o nome do antigo rei da Babilônia Nabucodonosor.

A minha mãe fez a mesma coisa escolhendo nomes que não fossem nomes muito comuns. E assim foi virando tradição na família de forma que cada um queria um [nome] diferente, inclusive, sem colocar um que já tivesse na família", completa.

O mais recente chegado da família é Ramsés, que tem poucos meses de vida, filho de Lameque. Tem ainda Sadraque, primo de Nabucodonosor, pai do Lameque, tio da Safira e avô do Ramsés.

Tradição

Da esquerda para direita: o 'rei da Babilônia' Nabucodonosor, a filha Yasmin, a esposa Patrícia e o filho Heitor, 'príncipe de Troia' — Foto: Arquivo pessoal

Nem todos os descendentes são adeptos da tradição, mas, no geral, segundo Nabucodonosor, é algo que se perpetua, como alguns que fazem parte da geração mais recente: Sunamita, Joquebede, Sâmeque, Átara e Mardoqueu.

"Hoje são mais de 150 descendentes de Estelita e Antônio, casal que começou a tradição há quase um século no distrito de São Paulinho, município de Acopiara, onde muitos da família ainda residem", disse.

A árvore genealógica do casal está presente no livro "Da Raiz às Folhas – Genealogia de Noé e Candoia", publicado em 2015, de autoria de Nabucodonosor neto do casal. 

 

G1

Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire