Você está em: CEARA // Notícia de Anselmo Bandeira // 17 de outubro de 2018

 
O que deveria ser atitude rotineira de cuidado exige, agora, maior esforço por parte de órgãos de saúde: notícias e crenças falsas sobre vacinação têm desestimulado os pais a imunizarem as crianças. O Ceará, apesar de ser referência nas metas, ainda não alcançou a cobertura em vacinas para menores de dois anos, de acordo com dados do Ministério da Saúde (MS) - o que alerta, neste Dia Nacional da Vacinação, para uma questão-chave: prevenir o retorno de doenças já erradicadas no Estado.
Três dos focos da campanha nacional "Porque contra arrependimento não existe vacina", lançada neste mês pelo Ministério da Saúde, são a poliomielite e a rubéola, doenças erradicadas no Brasil, mas cujos vírus ameaçam voltar; além do sarampo, sem casos no Ceará, mas com confirmações e mortes em vários estados brasileiros.
Segundo o infectologista pediátrico Robério Leite, "não existe um controle global das doenças", e a importação de casos de outras localidades, sobretudo do exterior, preocupa o Estado. "Não podemos impedir que alguém doente chegue aqui, mas se tivermos uma cobertura vacinal acima de 95%, como deve ser, impedimos a transmissão", alerta. Conforme o MS, todas as vacinas indicadas para crianças com menos de um ano ficaram abaixo da meta em 2017, menor nível em 16 anos.
Considerando nove vacinas obrigatórias para crianças de até 23 meses, o Ceará havia atingido, até agosto, uma média abaixo de 70% de cobertura.
Fake news
A queda na cobertura vacinal no País, segundo a Pasta, põe em xeque principalmente a saúde de crianças de até 23 meses, período em que são aplicadas as principais imunizações. Como consta no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), porém, a vacinação "é obrigatória nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias do País", e quem descumpre está sujeito a "multa de três a vinte salários mínimos".
A disseminação de fake news - as notícias falsas - sobre o assunto tem interferido nas baixas coberturas e dificultado o alcance das metas no Estado, segundo avalia a coordenadora de Imunização da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), Ana Vilma Leite.
"As pessoas davam maior valor à vacinação, hoje é mais difícil. Orientamos que se procure sites de órgãos de saúde. É preciso trocar o medo pela informação", afirma, reconhecendo que alguns municípios cearenses não conseguem alcançar as metas de 80%, 90% e 95% preconizadas para as diferentes imunizações.
Diário do Nordeste
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire