Você está em: NACIONAL // Notícia de Anselmo Bandeira // 31 de outubro de 2018

Polêmica ordenação de homens casados volta a ser levantada em sínodo com 300 bispos; investigação apresentada no evento estima perda de 60 mil sacerdotes nas últimas décadas

O assunto não é novo. Mas voltou a ser lembrado esta semana entre as paredes do Vaticano, graças à intervenção do episcopado belga. Com mil “deserções” por ano para o casamento, não seria a hora de a Igreja Católica rever a ordenação de homens casados? O tema acabou não avançando, mas pode até ser retomado no ano que vem, quando haverá um sínodo específico sobre a Amazônia.


O tema, polêmico, foi lançado pelo auxiliar de Bruxelas, d. Jean Kockerols, a seus cerca de 300 colegas de episcopado que participaram até sábado, 27, do encontro voltado para discussão de vocações juvenis. “Estou convencido de que os jovens que decidiram casar-se também podem ser chamados pela Igreja a servir, especialmente no ministério sacerdotal”, disse, sob aplausos.

Em entrevistas posteriores, Kockerols alegou também ter recebido apoio de outros prelados. “Disseram: Deves continuar nesta direção, mas no café (nos intervalos).” Nos debates públicos, o tema não avançou. “Estou decepcionado com a falta de reações públicas. Um bispo chegou a comparar o tema com as estalactites (formações rochosas sedimentares que se originam no teto de uma gruta), que demoram muito tempo a crescer.”

A diminuição do número de sacerdotes em todo o mundo é um dos fenômenos que mais afeta a Igreja Católica no mundo – há crescimento apenas na África e na Ásia. Indagado em várias ocasiões, o papa Francisco recordou que a proibição de ordenar padres não faz parte da doutrina inicial da Igreja – que permitiu o casamento até o século 11. O primeiro papa, Pedro, apóstolo de Jesus, era casado. Além disso, ritos católicos orientais e ortodoxos já admitem a ordenação de sacerdotes casados.

Uma investigação independente, apresentada no Vaticano em pleno Sínodo, aponta para a perda de 60 mil sacerdotes nas últimas décadas – pessoas que deixaram a batina para casar. O estudo corrobora outro levantamento, de 2007, que apontava para a perda de 69 mil padres, com essa motivação, entre 1964 e 2004. Em 2016, havia 414 mil sacerdotes católicos em todo o mundo. Segundo o vaticanista italiano Enzo Romeo, autor de um livro sobre o tema, são mil abandonos por ano – e vale considerar que a Itália só tem 8 mil sacerdotes.

O tema pode voltar com força no ano que vem. Um documento preparatório para o Sínodo da Amazônia, publicado em junho, observou que “o clamor de milhares de comunidades privadas da Eucaristia de domingo por longos períodos de tempo (pela falta de padres)” precisa ser ouvido. E sugere o ordenamento “viri probati” – de homens idosos, casados, mas com caráter e reconhecimento da comunidade (uma ideia que teria aval do papa Francisco, segundo jornais alemães). Outra ideia é dar às mulheres atuantes na região um “ministério oficial”. Uma polêmica, aliás, ainda maior.

Agências Internacionais
Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire