Você está em: NACIONAL // Notícia de Anselmo // 19 de março de 2019



Há exatamente quatro anos, o então ministro da Educação, Cid Gomes, apontava o dedo para o então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (MDB-RJ), reafirmando declaração que deu na mesma época e que culminou numa das primeiras crises do segundo governo Dilma Rousseff (PT). 



"Eu fui, senhoras e senhores deputados, acusado de mal educado. 'O ministro da educação é mal educado'. Pois muito bem, eu prefiro ser acusado por ele (Cunha) de mal educado do que ser como ele acusado de achaque, que é o que diz a manchete da Folha de São Paulo", declarou Cid do plenário da Casa.


O cearense havia sido convocado pelos deputados federais a se explicar no parlamento sobre a declaração dada em um evento que participou na Universidade Federal do Pará. Cid teria dito que na Câmara tem "uns 400 deputados, 300 deputados" que "achacam" o governo Dilma.


Na visita à Câmara, Cid foi acompanhado por deputados cearenses, que aplaudiram o episódio das arquibancadas. "O plenário da Câmara dos deputados não é lugar de claque", respondeu Cunha ao mandar retirarem os apoiadores do ex-governador. 


O então deputado federal Mendonça Filho (DEM-PE), parlamentar de oposição à Dilma, subiu no púlpito e sugeriu que o MDB pedisse a "cabeça" de Cid. "Ou o ministro se demite do cargo, ou a presidente demite o ministro, ou os 400 deputados da base do governo assumem que são achacadores. Não há outra opção. E aí o ministro fica no cargo", defendeu. 


O deputado federal Sérgio Zveiter (PSD-RJ) foi mais longe a provocou o ministro que ouvia pacientemente todas as falas contrárias. "Esse cidadão está aqui fazendo papel de palhaço. Eu poderia dizer que era melhor esse cidadão pendurar uma melancia no pescoço", declarou. Após a fala, Cid deixou o plenário.  


A confusão gerada acabou culminando no pedido de demissão de Cid da pasta da Educação, cargo que ocupou por menos de três meses. 


Quatro anos depois


Passados quatro anos, Cid elegeu-se senador pelo Ceará e integra o grupo de oposição ao Governo Federal, agora representado por Jair Bolsonaro (PSL). 


Eduardo Cunha está preso por consequência do desenrolar das investigações da Operação Lava Jato. O emedebista recebeu pelo menos duas condenações. A primeira é de 15 anos e quatro meses por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, de março de 2017.


A segunda, de junho de 2018, é de 24 anos e dez meses. Os crimes são corrupção ativa, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional.


Diário do Nordeste


Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire