Você está em: CEARA // Notícia de Anselmo // 4 de setembro de 2020



A gestão de André Costa foi provavelmente a mais atribulada da história da segurança pública no Ceará. Teve os dois anos com maiores números de homicídios na história. E, também, o ano com maior redução das mortes violentas. Nesse período, a presença das facções criminosas passou a ser parte do cotidiano cearense. Houve a maior onda de ataques da história do Estado, algo que chamou atenção do Brasil. Houve chacinas em sequência. E o Governo Federal instalou em Fortaleza o Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública – Regional Nordeste (CIISPR Nordeste). As declarações polêmicas foram outra marca da trajetória do secretário.

O contexto
Em janeiro de 2017, Delci Teixeira saiu da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Foram dois anos de redução dos homicídios. Em 2016, a queda das mortes violentas foi a maior do século até ali. Porém, a queda tinha influência de um problema: trégua nacional firmada entre facções criminosas. Havia também problemas dentro da Polícia, com bastante rejeição a Delci. A relação com a tropa não era boa. E havia sequelas de um episódio de extrema gravidade: a chacina da Grande Messejana.

A chegada
A nomeação de André Costa foi anunciada em 5 de janeiro de 2017. Representou uma guinada em relação ao perfil calmo e discreto do antecessor.

Direitos humanos?
Desde antes de assumir o cargo, Costa era ativo nas redes sociais. Usava Instagram para divulgar trabalho da Polícia, mensagens motivacionais. E discursos que faziam pouco caso a direitos humanos. Em 16 de outubro de 2016, por exemplo, publicou foto com pistola Glock 17,9 mm à qual chamou "Freio de mano". Em dezembro de 2016, ele perguntou: "Há um bandido gravemente ferido precisando de socorro e ao lado um policial precisando de um cafezinho. Você levaria o café com açúcar ou adoçante?". Na tarde em que assumiu a SSPDS ele apagou o post.

"Justiça ou cemitério"
Em 28 de janeiro de 2017, Costa concedeu entrevista coletiva sobre a prisão de suspeito de assassinar o cabo Arlindo da Silva Vieira. Ele proferiu a frase que ficou marcada ao longo de sua passagem pela SSPDS. "A gente oferece duas coisas para o bandido: se ele quiser se entregar, a Justiça. Se ele quiser puxar uma arma, o cemitério". Repetiu a mesma coisa nas redes sociais. A declaração rendeu críticas e polêmica, mas foi aplaudida pelas associações de profissionais da segurança. O governador Camilo Santana (PT) disse que a fala foi "má interpretação" do secretário. "Acho que houve uma má interpretação, de certa forma, do próprio secretário. Ele é uma pessoa jovem, é um professor de Direito Penal, então jamais poderia interpretar dessa maneira".

"Batman" ou "Moro do Ceará"
O secretário não ficava apenas no gabinete e passou a ir à rua ao lado de policiais em operações. Fosse na busca a acusado de matar policial ou em ação contra poluição sonora. Costa declarou em entrevista que passou a ser reconhecido pela população pelo estilo. "Já tiveram vários termos engraçados, comparando com o capitão Nascimento ou com o capitão André, que é outro personagem do filme, que usa até óculos. Já ouvi Sérgio Moro do Ceará, Bruce Wayne, Batman". Ele gostou da percepção da mudança: "Acho bacana porque mostra que a população está conhecendo quem é o secretário e sabe que agora tem um secretário que realmente está lá".

Aumento da violência
Apesar do estilo trazer popularidade, a violência cresceu. O primeiro ano de André Costa no cargo, 2017, foi o mais violento sobre o qual há registro na história do Ceará. Desde o fim de 2016, havia informações do fim da trégua entre facções. Em 2017, a guerra se tornou aberta.

Ataques criminosos
Em março de 2017, três ataques a ônibus ocorreram em suposta retaliação à morte de integrante do Comando Vermelho. Em abril, ataques ordenados de presídios incendiaram 21 veículos, entre ônibus e carros de concessionárias de serviços públicos. Transporte coletivo foi recolhido e aulas foram canceladas. Àquela altura, a presença de facções no Ceará era destaque nacional. Costa defendia que o enfrentamento não dependia só do Ceará.

Territórios
Pinturas em muros assinadas por facções passaram a ditar regras em territórios. O secretário disse que as sinalizações ajudaram o trabalho da SSPDS. Policiais apagaram pinturas. André Costa chegou a publicar em suas redes imagens de jovens sendo forçados a pintar muros pichados por eles.

Barbárie
As facções não se contentavam em matar. Ao longo de 2017, difundiram-se as mortes cruéis, com objetivo de fazer sofrer, incutir terror e mandar recados. De janeiro a outubro daquele ano, levantamento do O POVO apontou terem sido encontrados pelo menos 13 corpos carbonizados, dez decapitados e outros 14 com sinais de tortura em Fortaleza e Região Metropolitana.

Chacinas
Sobretudo no ano de 2018, as chacinas se tornaram rotina no cotidiano do Ceará. Foram pelo menos nove, com 53 mortes. No bairro Cajazeiras, a chacina do Forró do Gago foi a maior da história do Estado. Entre as matanças, a Chacina do Bnfica e na Vila Manoel Sátiro, onde as vítimas foram policiais.

Assassinatos dos chefes de facções
Em fevereiro de 2018, foram assassinados em Aquiraz dois dos principais chefes nacionais da facção criminosa PCC. Rogério Jeremias de Simone, conhecido como Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, chamado de Paca, foram mortos por integrantes da própria facção.


Tragédia de Milagres
Na madrugada de 7 de dezembro de 2018, a Polícia interceptou assalto a agências do Bradesco e Banco do Brasil no município de Milagres, no Cariri. Porém, a consequência foi muito pior que o roubo de bancos. Os criminosos tinha reféns. Foram mortas 14 pessoas, sendo oito integrantes da quadrilha e seis reféns - cinco da mesma família. Foram afastados 12 policiais em uma ação desastrada de repercussão internacional.

Ondas de ataques
Em janeiro de 2019, ocorreu a maior onda de ataques da história do Ceará. Foram pelo menos 230 ataques criminosos ao longo do mês. Já nos primeiros dias, aquela se tornou a maior onda já registrada no Estado. Na contagem final, aquela onda de violência superou a soma de outros 14 ciclos de ataques, que tiveram 207 ataques no Ceará entre 2014 e 2018. Comércios fecharam as portas e ônibus deixaram de circular. Em setembro daquele ano houve nova onda de ataques. Os alvos voltaram a ser transportes coletivos e concessionárias de serviços públicos. Pelo menos 170 pessoas foram presas.

Motim da PM
Em fevereiro de 2020, policiais militares se rebelaram contra proposta de reajuste salarial do governo e fizeram motim. A segurança foi afetada inclusive no Carnaval. A violência disparou. Houve episódios dramáticos, como a tentativa do senador Cid Gomes (PDT) de invadir quartel com retroescavadeira em Sobral, sendo alvo de tiros. A paralisação só terminou em 1º de março.

Resultados

O ano de 2017 foi o mais violento da história do Ceará, em quantidade e em brutalidade. Em 2018 houve o segundo maior número de homicídios da história e série de chacinas, entre as quais a maior da história do Estado. Em 2019 houve a maior onda de ataques da história do Estado. Ao mesmo tempo, houve a maior redução já registrada dos homicídios. Até a metade de 2020, o aumento é o maior já registrado.


O POVO Online
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire