Você está em: CEARA // Notícia de Fagner Freire // 21 de setembro de 2020






Os casos confirmados de dengue cresceram 21,9% até o início de setembro deste ano, no comparativo com o mesmo período do 2019. O número de registros saltou de 14.033 para 17.108, segundo boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa). Os dados, publicados no último dia 10, mostram que houve nove mortes no período analisado.


O boletim de arboviroses registra os casos até a 36ª semana epidemiológica de 2020, concluída no dia 5 de setembro. A análise compara com o igual período do ano passado, quando a 36ª semana se encerrou no dia 7 de setembro. “Observa-se que nos anos em análise, as maiores incidências registradas foram de dengue, com picos epidêmicos em maio/2019 e abril/2020”, detalha o documento.


“Quando a gente coloca a curva nas médias móveis, a gente ficou numa situação não epidêmica. Houve um pequeno aumento porque teve muitas chuvas e a questão da Covid, que atrapalhou um pouco o trabalho dos agentes”, analisa Roberta de Paula Oliveira, coordenadora de Vigilância Ambiental e em Saúde dos Trabalhadores pela Sesa.


O período mais crítico da doença corresponde também ao pico da pandemia do novo coronavírus no estado, entre abril e maio.


Na Região de Fortaleza, o aumento foi de 65,8%, com registro de 7.149 casos neste ano e 4.311 pacientes em 2019. A capital teve o maior número em relação aos municípios vizinhos, com 6.578 doentes.
 
 
 
(G1/CE)
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire