Você está em: CEARA // Notícia de Fagner Freire // 21 de setembro de 2020



Após um momento de estabilidade, os indicadores da Covid-19 no Ceará passaram a registrar queda progressivamente. Além dos casos e óbitos, a média móvel de testes aplicados para identificar a doença também diminuiu. Em dois meses, foi observada uma redução de cerca de 59,45%.

No dia 14 de julho, a média registrada era de 5.972,43, conforme os dados da plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa). Já em 14 de setembro, a quantidade baixou para 2.421,29.

A queda na média móvel de testes é diretamente influenciada pela própria redução do número de casos, como explica o patologista clínico Paulo Marcelo Oliveira, membro da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC/ML) no Ceará. "Em julho, ainda se estava investigando muito, principalmente no Interior, com focos no Cariri, Sertão Central, Crateús.

A gente continua testando todo mundo que vai ser internado, para saber a situação epidemiológica, se o paciente já teve, se tem. E, de fato, tem caído não só o número de testes, mas a positividade dos testes. Já foi maior antes", avalia.

A menor frequência da positividade nos exames é confirmada pelo titular da Sesa, Carlos Roberto Martins. Ele relata que já foram realizados inquéritos sorológicos e com testagem viral em todos os bairros de Fortaleza, em Sobral, Iguatu e na região do Crato, Juazeiro e Barbalha.
 
 
(Diário do Nordeste)
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire