Você está em: NACIONAL // Notícia de Anselmo // 9 de outubro de 2020

Segundo a vítima, o médico teria agido na frente da filha dela, de 2 anos, durante uma consulta oftalmológica.


 Uma jovem de 27 anos afirma ter sido beijada e abraçada a força por um médico de Santos, no litoral paulista, durante uma consulta oftalmológica em um hospital especializado em São Paulo. Em entrevista ao G1, nesta sexta-feira (9), ela conta que o homem ainda colocou a mão dela sobre a calça dele, nas partes íntimas. Esse é a terceira denúncia de importunação sexual contra o médico R.I.P.N., que já havia sido acusado por duas pacientes com suspeita de Covid-19 em São Vicente.


As duas primeiras vítimas, uma recepcionista e uma vendedora, alegam ter sofrido assédio sexual durante consultas com o médico no Centro de Controle do Coronavírus de São Vicente. Segundo as pacientes, o suspeito afirmou que elas estavam “estressadas” e que precisavam “dar uma relaxada”.


O terceiro caso teria ocorrido no Hospital dos Olhos de São Paulo na última segunda-feira (5). A representante comercial Angélica Santos, de 27 anos, conta que marcou uma consulta com o médico após ter ido à unidade no dia 19 de setembro para acompanhar os pais. “Meu plano não é conveniado com essa clínica e eu nunca tinha passado com ele. Por causa da idade do meu pai, que tem 65 anos, também entrei na sala”, afirma.


Durante a consulta, o médico teria oferecido à ela para fazer o exame. “Falei que não tinha convênio lá. Ele falou para eu sentar que ia ver meu grau. Até achei estranho, porque eu não ia pagar a consulta, mas como estava lá, fiz”, explica. O profissional a examinou e disse que o grau dela tinha aumentado, a orientando a voltar outro dia, pois queria fazer um exame específico. Segundo a jovem, a justificativa para um novo procedimento é que o doutor queria ver as taxas hormonais dela.


“Eu tive uma filha há dois anos e ele disse que isso poderia influenciar no aumento do grau”. A consulta foi marcada para o último dia 5. Angélica compareceu ao local com a filhinha, e inicialmente, a consulta correu bem, até que o médico pediu para que ela tirasse a máscara de proteção, pois faria o exame de vista novamente e o acessório poderia interferir. O procedimento específico, segundo a vítima, não teria sido realizado.


“Ele não fez o exame que disse que faria. Colocou uma luzinha nos meus olhos, disse que eu estava com uma alergia e que era estranho. Aí falou: ‘você precisa desestressar’”, explica. Nesse momento, a jovem disse ao médico que não tinha muito o quê fazer, porque cuidava da filha sozinha, e o homem perguntou se era casada e sobre o pai filha dela.


“Em seguida, ele começou a perguntar o que faltava em mim. Se era coragem, vontade ou oportunidade. Me perguntou várias vezes, só que eu não sabia o que responder, fiquei sem reação. Sempre falava que não sabia. Depois ele perguntou: ‘Se fosse agora, o que você faria para desestressar?’ Ainda falei que não faria nada”, conta. Ao final da consulta, a jovem foi pegar a receita do medicamento para sair da sala, já que não estava se sentindo bem com a situação.


“Quando eu levantei, ele veio na minha direção, dizendo que eu precisava de um abraço. Eu não queria abraçá-lo. Ele me abraçou e me beijou a força. Eu empurrei ele e fui para trás. Ele pegou a minha mão e passou na calça dele, nas partes íntimas”, afirma.
Ela contou que não conseguiu gritar ou pedir socorro. Depois que conseguiu se soltar, Angelica pegou a filha e saiu do consultório. “A gente [vítimas] se sente envergonhada. Mandei mensagem para a minha mãe contando o que ocorreu”, conta. Angélica pensou em não denunciar, mas ao pesquisar na internet sobre o médico, encontrou os outros dois casos de Vivian Herculano Salvatore e Jocimari Fonseca.


A jovem procurou por Vivian, e ao conversar com ela, afirma que percebeu o que o médico falou a mesma coisa para ambas. Diante disso, a representante decidiu fazer a denúncia. O caso foi registrado como importunação sexual na 2ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) Sul, em São Paulo. “Ele ainda me falou: vou te ver daqui a dez dias’, mas eu não vou voltar. Parece que não foi comigo, que vi na televisão. Nunca imaginamos que vai acontecer conosco. Nunca mais vou a uma consulta sozinha”, finaliza.


Afastado


Em nota, o Hospital dos Olhos de São Paulo informou que a denúncia está sendo apurada pelos responsáveis da unidade e que o médico foi afastado de suas funções até a conclusão do caso.


Já o Conselho Regional Medicina Estado São Paulo (Cremesp) informou que, em relação às duas denúncias anteriores, já tomou as medidas cabíveis, mas que não foi acionado sobre esta nova denúncia. O órgão poderá abrir nova investigação para apurar os fatos.


A defesa do médico, representada pelo advogado criminalista Marcelo Cruz, afirmou que ainda não tomou ciência oficialmente da acusação e, assim que tomar, vai analisar o caso com as cautelas devidas. Ainda conforme a defesa, logo em seguida, pretende apresentar espontaneamente o médico para esclarecer o que for necessário perante a autoridade policial.


Entenda o caso


Em entrevista ao G1, a recepcionista Vivian Herculano Salvatore, de 29 anos, e a vendedora Jocimari Fonseca, de 27 anos, relataram ter sofrido o assédio durante consultas com o médico no Centro de Controle do Coronavírus, equipamento da Prefeitura de São Vicente exclusivo ao atendimento de pessoas com sintomas da Covid-19.


Após o atendimento, Vivian denunciou R.I.P.N. à administração da unidade de saúde, bem como à Polícia Civil, por meio da Delegacia de Defesa da Mulher, onde o caso é investigado como importunação sexual. Segundo a paciente, ela sentiu medo e não conseguiu reagir à ação do profissional. “Não quero que outras pessoas passem por situação igual ou pior à que eu passei”.


Jocimari também denunciou o caso à administração do hospital, mas relata não ter conseguido registrar a ocorrência por meio da Delegacia Eletrônica. Devido ao diagnóstico positivo para o novo coronavírus que recebeu ao voltar no Centro e fazer o exame, ela relata que está aguardando o fim da quarentena para comparecer pessoalmente na delegacia.


Importunação sexual


A lei caracteriza como crime de importunação sexual a realização de ato libidinoso na presença de alguém e sem seu consentimento, como toques inapropriados ou beijos “roubados”, por exemplo. A importunação sexual difere do assédio sexual, que se baseia em uma relação de hierarquia e subordinação entre a vítima e o agressor. Quem pratica casos enquadrados como importunação sexual poderá pegar de 1 a 5 anos de prisão.


Fonte: G1

Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire