Você está em: NACIONAL // Notícia de Fagner Freire // 28 de janeiro de 2021

 


Um homem de 61 anos com linfoma de hodgkin, câncer no sistema linfático, teve remissão da doença após ser infectado pelo novo coronavírus. O caso foi publicado pelo Britsh Journal of Haematology, periódico médico do Reino Unido, em 2 de janeiro. 

O estudo é comandado pelos pesquisadores Sarah Challenor e David Tucker. O paciente, que não teve a identidade relevada, não pode ser considerado curado, mas teve redução significativa do câncer. 

Conforme o periódico, em seu primeiro diagnósticos, o paciente estava em estágio progressivo do linfoma e recebia hemodiálise. Ele chegou a passar três anos sem terapia imunossupressora, após uma tentativa de transplante renal fracassar. 

Em 2020, foi diagnosticado novamente com estágio três da doença e a biópsia de um nódulo indicou altos indíces do vírus Epstein-Barr, que causa o desenvolvimento do linfoma. Logo após o diagnóstico, ele foi hospitalizado com faltar de ar, pneumonia e tosse e testou positivo para a Covid-19.

O homem passou 11 dias internado e recebeu alta para se recuperar em casa. Quatro meses depois, a avaliação médica indicou que o linfoma havia reduzido e exames revelaram resolução generalizada da linfadenopatia. 

A quantidade do vírus Epstein-Barr reduziu de 4.800 cópias/mL para 413 cópias/mL.

De acordo com o periódico, a hipótese dos médicos é que o coronavírus estimulou uma resposta imune contra o tumor. Durante o tratamento contra a Covid-19, ele não recebeu imunoterapia ou corticoides, indicados para o tratamento do linfoma. 

O mecanismo de defesa desencadeado inclui a reatividade de células T - com funções imunológicas antivirais - contra o linfoma e a ativação de antígenos e células assassinadas, produzidas em resposta à infecção. 

Segundo o Instituto Nacional do Câncer, o  linfoma de Hodgkin surge quando um linfócito (célula de defesa do corpo), se transforma em uma célula maligna, capaz de multiplicar-se descontroladamente e disseminar-se. 

Com o passar do tempo, essas células malignas podem se disseminar para tecidos próximos, e, se não tratadas, podem atingir outras partes do corpo. A doença origina-se com maior frequência na região do pescoço e na região do tórax denominada mediastino.

 

(Diário do Nordeste)

Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire