Você está em: NACIONAL // Notícia de Fagner Freire // 16 de fevereiro de 2021

 


Após quase um ano de portas fechadas por conta da pandemia do novo coronavírus, o mês de fevereiro marca a reabertura de escolas na maioria dos estados. No entanto, o retorno das aulas tem sido cercado de protocolos de segurança e higiene. Algumas escolas começaram apenas com o ensino remoto e, gradativamente, irão retornar as atividades na escola. Outras começaram de forma híbrida de aulas: parte virtual, parte presencial.

Neste momento, além dos cuidados com o distanciamento social, higiene constante das mãos e uso de máscara para minimizar o risco de transmissão do novo coronavírus, é preciso também ter um cuidado especial com a parte emocional de cada estudante, já que muitos voltam desmotivados e com perdas de aprendizado. 

Segundo dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), cerca de 44 milhões de crianças e adolescentes passaram da sala de aula para o ambiente online devido à pandemia em 2020 no Brasil. Destes, 5,5 milhões não conseguiram continuar o aprendizado em casa, abandonando os estudos.

A pedagoga Bruna Duarte Vitorino diz acreditar que 2021 será importante para recuperar conteúdos. “Ainda estamos em um momento de incertezas, por isso, muitos alunos ainda estudarão de maneira remota e precisam se esforçar um pouco mais para manter o ritmo de estudos a distância. Este também será um ano fundamental para a recuperação de conteúdos que não foram consolidados em 2020. É importante identificar a situação da aprendizagem de cada criança e oferecer recursos para que ela consiga recuperar os conteúdos perdidos.”

Os pais têm papel fundamental neste atípico retorno às aulas. Se antes a adaptação escolar já exigia atenção especial, agora há diversos pontos a mais a se considerar. Quando o estudante não quer voltar às aulas presenciais, os pais e a escola devem formar uma rede de apoio sempre se comunicando para observar o comportamento da criança em casa e no retorno à escola. 

“A criança quando bem amparada sente-se segura e consequentemente gosta mais do ambiente escolar. Os pais devem conversar com as crianças, escutar quais são seus receios e conversar mostrando os pontos positivos de voltar à escola”, sugere a pedagoga, que é coordenadora do Kumon, método que visa desenvolver o autodidatismo nos alunos .

Já nas famílias que optaram por não levar os estudantes para a escola, o esclarecimento é fundamental para que eles compreendam a decisão dos pais. “O diálogo sempre é a base para que a criança compreenda os direcionamentos dos pais. É fundamental explicar quais são os motivos que levaram a família a optar por não levar a criança à escola e não apenas impor, pois o autoritarismo não promove que a criança desenvolva a capacidade de refletir e fazer julgamentos, habilidades que serão exigidas delas futuramente”, completa Bruna.

Para quem está no ensino híbrido, os pais devem observar se o estudante mantém o foco nas aulas online, além de incentivar as conquistas. “O retorno para alguns dias presenciais já será de grande motivação para as crianças, pois poderão socializar, sair de casa e ter contato com os professores. Para manter a motivação em casa, os pais devem continuar prestando suporte, observando se estão atentos às aulas, elogiando a cada aprendizado novo e conversando para conhecer os sentimentos da criança”.

Seja a forma escolhida para a volta às aulas, o primeiro passo é os pais terem a segurança de enviar os filhos à escola, aconselha a pedagoga. “A postura de confiança dos pais ajuda muito para que as crianças sintam o entusiasmo para voltar. Se os pais não estão convictos, o melhor é não enviar, pois a criança perceberá e se sentirá insegura. Para aqueles que enviarão as crianças para as aulas é importante motivar e conversar com a criança mostrando todos os pontos positivos de ir à escola. Mesmo que a criança seja pequena, é importante conversar e escutar quais são as expectativas que a criança tem com o retorno.”

Controvérsia entre os pais 

Entre os pais, a abertura das escolas tem sido um assunto controverso. Há uma parcela de pais ainda temerosa com a contaminação pela covid-19, enquanto outro grupo é a favor do retorno às aulas presenciais. É o caso dos pais da Isabela, a coordenadora de comunicação Maria Cecilia Floriano Stiipp Korek e o consultor de planejamento financeiro Alexandre Korek. 

 

(Agência Brasil)

Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire