Você está em: CEARA // Notícia de Fagner Freire // 1 de abril de 2021

 


Começa nesta quinta-feira (1º) a operação de transferência de água do açude Castanhão para a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). A decisão foi tomada porque os açudes que integram o entorno da Capital estão com a reserva abaixo do esperado e os reservatórios apresentam volume inferiores ao mesmo período de 2020.

O titular da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), Francisco Teixeira, pontuou que “os reservatórios Pacajus e Pacoti, que são os principais da região, ainda não tiveram aporte significativo e estão com quase 100 milhões de metros cúbicos de água a menos em comparação com igual período do ano passado”.

A transferência de água do Castanhão tem por objetivo assegurar o abastecimento de água da RMF até, pelo menos, 2022. A região reúne o maior número de consumidores no Ceará, cerca de 4,5 milhões. Inicialmente, serão liberados 7,5 metros cúbicos por segundo. A definição pela transferência foi aprovada nesta terça-feira (30), em reunião do Conselho Estadual dos Recursos Hídricos (Conerh).

Do Rio São Francisco para Fortaleza

O Castanhão recebe desde o dia 1º de março as águas do Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF). "A ideia é aproveitar ao máximo essa água, no período chuvoso, porque há mais facilidade da água escorrer e chegar ao destino no leito dos rios Salgado e Jaguaribe, que também recebem água da chuva”, frisou o secretário Executivo da SRH, Aderilo Alcântara. Atualmente, o reservatório está  hoje com apenas 11,4% de sua capacidade.

Francisco Teixeira frisou que “como era de se esperar, tendo por base o prognóstico da Funceme, havia probabilidade maior das chuvas serem da média para baixo”.

O titular da SRH ressaltou que os aportes dos reservatórios cearenses na atual quadra chuvosa têm sido muito menores do que no ano passado. “Nas reuniões do Grupo de Contingência, a cada quinze dias, de forma remota, tomamos precaução para garantir abastecimento humano aos cearenses, avaliando os estoques de água”.  

 Chuvas abaixo da média

O prognóstico da Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme), anunciado na segunda quinzena de janeiro passado e confirmado em fevereiro último, indicava que o Ceará teria 50% de chance de chuvas abaixo da média histórica nos meses de fevereiro, março e abril.

Para o trimestre de abril a junho, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) também confirma tendência de chuvas abaixo da média, principalmente, na porção centro-sul do Estado.

“O motivo é o afastamento da Zona de Convergência Intertropical, que neste ano não se aproximou muito do Ceará, porque a temperatura das águas superficiais do Oceano Atlântico Tropical Sul está mais fria do que o Atlântico Tropical Norte”, explicou o meteorologista do Inmet, Flaviano Fernandes. “A Zona de Convergência permanece nas áreas mais aquecidas”.

A previsão da Funceme e do Inmet foi confirmada até o momento e os aportes dos açudes cearenses estão inferiores aos do ano de 2020.

 A gerente de meteorologia da Funceme, Meiry Sakamoto, também destacou que os dois primeiros meses da quadra chuvosa (fevereiro a maio) registram volumes de chuva abaixo do que no mesmo período de 2020.

“A Zona de Convergência Intertropical não chegou a se posicionar sobre o continente cearense, mantendo-se sempre sobre áreas oceânicas”, pontuou Meiry Sakamoto.

 

(Diário do Nordeste)

Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire