Você está em: CEARA // Notícia de Fagner Freire // 7 de fevereiro de 2022

 


O jovem Matheus Silva Cruz, 19 anos, assassinado dentro de uma delegacia da Polícia Civil por um policial militar de folga, foi enterrado na manhã desta segunda-feira (7), em meio ao protesto de amigos e familiares, que cobram justiça pelo crime, ocorrido na cidade de Camocim, no interior do Ceará.

A vítima e o agente George Tarick de Vasconcelos Ferreira, de 33 anos, foram levados à delegacia após uma discussão em uma festa na madrugada de domingo (6). O agente disse ter assassinado o jovem "em um momento de fúria, levado por violenta emoção". O policial foi indiciado por homicídio qualificado.

Durante o cortejo do corpo para o cemitério, dezenas de pessoas se reuniram nas ruas da cidade, com cartazes "Justiça por Mateus", além de homenagens. Durante o momento, várias pessoas choravam, enquanto cantavam músicas religiosas.

Para a família do jovem, além do PM que fez os disparos, outras pessoas devem ser responsabilizadas pelo crime, pois Mateus estava sob a custódia da Polícia Civil quando foi atacado. O pai do jovem, o comerciante Eglício de Souza Cruz, relatou ao g1 que a vítima estava algemada e machucada após ter sido agredido em uma boate da região, mas a Polícia Militar nega a versão.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirma que o inquérito policial que investiga as circunstâncias da morte de Mateus, ocorrida dentro de uma repartição pública, será remetido à Delegacia de Assuntos Internos (DAI), vinculada à Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD).

Conforme o órgão, a vítima do homicídio e o militar suspeito teriam se desentendido em um estabelecimento comercial. Eles foram conduzidos para a Delegacia Regional de Camocim. No local, enquanto aguardavam o procedimento, o militar atirou contra o homem que não resistiu aos ferimentos e morreu.

O policial militar, que estava de folga, foi preso e autuado em flagrante pela Polícia Civil, além disso, teve a arma apreendida. Ele foi "colocado à disposição da Justiça e permanece preso no Presídio Militar".

"A SSPDS reitera que não compactua com desvios de conduta de seus agentes e determinou a apuração imediata dos fatos para possível responsabilização de policiais militares e civis envolvidos na ocorrência. A pasta informa ainda que a própria CGD também conduz investigações paralelas sobre o assunto", diz um trecho da nota.

'Momento de fúria'

O militar disse em depoimento ter atirado contra o jovem "em um momento de fúria, levado por violenta emoção".

"Essa pessoa que matou o Matheus já se encontra presa e, por mim, passa o resto da vida dele preso lá. Não justifica ele ter matado o meu filho, meu filho era o meu amor, minha tela preciosa, eu amava muito o meu filho, não precisava ele ter matado o meu filho", disse o comerciante Eglício de Souza Cruz.

Mateus trabalhava no pet shop do pai, na cidade de Camocim, como tosador e entregador. Segundo a família, o jovem não tinha antecedentes criminais.

"Estamos arrasados, e a gente quer justiça com esse policial e também com os outros que estavam juntos com ele [o suspeito], não só esse que matou ele, mas outros que bateram nele também", afirmou o pai.

 
 
 
 (G1/CE)

 

Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire