Lula é anunciado pré-candidato: "É proibido ter medo de provocação, é proibido ter medo de fake news"


PT lança chapa Lula-Alckmin para as eleições 2022 - Foto: Nelson Almeida/ AFP


Anunciado pré-candidato a presidente neste sábado, em São Paulo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) leu discurso fortemente ancorado na recuperação econômica do País, na correção das desigualdades sociais e no retorno do Brasil à condição de protagonista no cenário mundial. O líder do PT pregou conciliação (disse que voltará mais "brando"), fez acenos aos partidos de centro e recordou realizações dos governos petistas, como o Bolsa Família, o FIES, o ProUni e o Minha Casa, Minha Vida.

O discurso também passou pela soberania brasileira, em oposição à agenda de privatizações que Bolsonaro e Paulo Guedes (ministro da Economia) tentam levar a cabo. O petista defendeu que empresas estratégicas como a Eletrobras e a Petrobrás têm de permanacer estatais. Lula disse à militância que é "proibido ter medo de provocação", assim como é "proibido ter medo de fake news". Nessa sexta-feira, 6, em Campinas (SP), bolsonaristas fizeram cerco a um carro que transportava o líder petista, num prenuncio do clima de tensão que deve ser uma das principais marcas do processo eleitoral.

No ato deste sábado, Lula direcionou críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL). Para ele, o atual mandatário pode até se dizer cristão, mas "não tem amor ao próximo". O petista se referiu sobretudo ao fracasso do Governo Federal na condução da pandemia da covid-19, destacando a conduta negacionista de Bolsonaro e o saldo negativo de 660 mil brasileiros mortos em decorrência do vírus.


O ex-presidente afirmou que, agora, o momento é de percorrer o País de ponta a ponta. Lula é primeiro nas pesquisas de intenção de voto, seguido de Bolsonaro, que se recupera e diminui a distância para ele. Último levantamento Ipespe, divulgado nessa sexta-feira, 6, mostra o petista com 41%; Bolsonaro tem 31%; Ciro Gomes (PDT), 8%, e João Doria (PSDB), 3%.


O ato de lançamento da pré-candidatura teve presença de cearenses como o ex-governador Camilo Santana, o deputado federal José Guimarães (PT), a vereadora de Fortaleza, Larissa Gaspar (PT), e a dirigente do PT cearense e membro do diretório nacional, Liliane Araújo. Vice na chapa de Lula, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB) não esteve presencialmente no ExpoCenter Norte, pois testou positivo para covid-19.


A partir da residência, Alckmin falou aos presentes por vídeo. Mencionou o passado como adversário histórico de Lula e afirmou que nenhuma divergência o impedirá de apoiar a campanha de Lula rumo à Presidência. Os dois disputaram o segundo turno das eleições presidenciais em 2006. Em dezembro de 2017, ainda quando adversários, Alckmin disse que Lula de volta ao Palácio do Planalto seria um retorno à "cena do crime".


Alckmin disse haver risco à democracia brasileira, representado por Bolsonaro. Diante disso, segundo o agora socialista, o companheiro de chapa é a primeira, a segunda e a terceira vias. E pediu às outras forças políticas que se unam aos dois. Sete partidos já anunciaram apoio a Lula: PT, PSB, Rede, PV, Solidariedade, PC do B e Psol.


Tanto Alckmin como Lula usaram a piada de um prato com lulas e chuchu como símbolo da união. "Lula é um prato que cai bem com chuchu", disse o ex-governador. O apelido foi criado pelo jornalista José Simão para se referir a político, considerado por ele insosso. Alckmin leva na esportiva. Em 2014, Lula se drigiu ao adversário dessa forma.


O Povo Online

Tags