Monsenhor Francisco Ferreira de Moraes faria 111 anos neste dia 9 de agosto

 


Filho de José Olímpio de Moraes e de D. Maria Ferreira da Conceição de Moraes. Nasceu em Crateús-CE, aos 09 de agosto de 1911. Batizado aos 9 de setembro do mesmo ano. Estudou o curso primário na sua terra natal.

O secundário fez no Seminário Menor de Sobral de 02 de fevereiro de 1927 a 30 de novembro de 1931. O curso superior: Filosofia e Teologia no Seminário da Prainha, em Fortaleza, de fevereiro de 1932 a outubro de 1937.

Começou sua vocação, como acólito - matriz de Crateús, sendo Vigário, o Pe. José Juvêncio de Andrade.
Recebeu o presbiterado no dia 31 de outubro de 1937, na Matriz de Crateús, hoje catedral por D. José Tubinambá da Frota, Bispo da Diocese de Sobral. Sua primeira missa solene foi a 10 de novembro do mesmo ano, no mesmo local da ordenação.

Atividades pastorais e outras: Após a ordenação foi designado Pároco de Nova Russas-CE., onde permaneceu durante mais de 11 anos, de lá, se transferiu para a Paróquia de Ipu, cuja posse se deu a 10 de janeiro de 1947. Nesta importante cidade do norte cearense, ele permanece há mais de 5 décadas. 

A atuação do Mons. Moraes como sacerdote tem sido coroada de pleno êxito pelas suas qualidades morais, aprimorada cultura, brilhante orador sacro e virtuoso sacerdote. No campo literário, publica em 1996 “Eu e meus versos”, onde comprova com notáveis sonetos e primorosas poesias, a sua inspiração verdadeiramente poética. 

Fundou o Sindicato dos Trabalhadores Rurais; Patronato Sousa Carvalho; Ginásio Ipuense; Escola profissional; Maternidade Hospital Dr. Francisco Araújo; Posto de Puericultura; implantou os primeiros telefones; organizou a Banda de Música; o Centro Social Urbano. Conseguiu com o Governador Adauto Bezerra a instalação do ITEP e com o mesmo Governador, a estrada de Canindé a Ipu.

Em 31 de outubro de 1987, celebrou seu Jubileu de Ouro, entre aclamações e júbilo de todos os seus paroquianos. Em 1955, foi agraciado pela Santa Sé com o título de Camareiro Secreto do Papa Pio XII, como estímulo e reconhecimento de seus trabalhos apostólicos.

Finalmente, seu pensamento pessoal: “Eu sou Cristo, o Mestre. Ah! Sim, Senhor, atendo o teu chamado, para ver se contigo o mundo eu ganho”. Faleceu a 15 de Abril de 2009, sepultado no túmulo da família, em Crateús.

 

 


Tags