Você está em: CEARA // Notícia de Anselmo // 14 de junho de 2019

 
 
O zumbido do mosquito perdeu estardalhaço desde o ano passado, mas ainda causa ecos para muitos cearenses. Somente em 2016 e 2017, a febre chikungunya infectou mais de 139 mil pessoas no Estado e levou 234 a óbito. Em todo o ano passado e nos quatro primeiros meses de 2019, as ocorrências caíram drasticamente, somando 1.630 confirmações e apenas um óbito. Em Fortaleza, de janeiro a 8 de junho, 122 casos foram confirmados - número bem abaixo dos 54,5 mil registrados em igual período, há dois anos, de acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria Municipal da Saúde (SMS).
Como as dores articulares podem perdurar por até três anos, segundo o Ministério da Saúde, uma rede de pesquisa nacional formada por nove estados foi montada para investigar os efeitos da doença a longo prazo. No Ceará, as investigações utilizarão uma abordagem que aplica pontos de pressão na orelha para avaliar novos pacientes.
Algumas sequelas da doença se arrastam de forma dolorosa, fazendo jus ao nome da condição: "aqueles que se dobram", num idioma da Tanzânia, onde ela foi descoberta em 1952. Até o ano passado, o professor Bernardo Coutinho, coordenador do Grupo de Atenção Integral e Pesquisa em Acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa da Universidade Federal do Ceará (Gaipa/UFC), desenvolveu estudos de auriculoterapia, tipo de acupuntura que utiliza pontos de pressão nas orelhas, aplicada à chikungunya, para minimizar o quadro doloroso.
Angústia
O tratamento consistia em sessões de 15 minutos uma vez por semana, durante cinco semanas, utilizando apenas álcool, algodão, esparadrapo e sementes de mostarda (substituindo as agulhas). Como resultado, ele encontrou uma redução de 50% na escala de dor relatada pelos pacientes e o crescimento da velocidade de deslocamento. Pessoas que demoravam até 14 segundos para percorrer três metros baixaram o tempo para nove segundos, considerado o padrão normal numa população saudável.
Embora não fosse o foco do estudo, a experiência prática após dois mil atendimentos, num posto de saúde do bairro Rodolfo Teófilo, levou a algumas observações paralelas: os acometidos pela chikungunya se queixavam de insônia (tendo como reflexo o esgotamento físico), estresse, ansiedade e angústia. O maioria dos analisados era mulher (90%), com média de 59 anos, em sobrepeso e relatando sintomas da chikungunya há 200 dias. Cerca de 50% realizavam algum tipo de trabalho, ou seja, foram afastados de atividades profissionais por causa da dor.
O diferencial da Rede de Pesquisa Clínica e Aplicada em Chikungunya (Replick) no Ceará será justamente a introdução de métodos fisioterapêuticos, incluindo a auriculoterapia, na avaliação de novos pacientes. Segundo Luciano Pamplona, professor do Departamento de Saúde Comunitária da UFC e coordenador da pesquisa no Estado, ainda há muitas dúvidas sobre a doença.
Letalidade
"A ideia é reescrever a história natural da doença. Queremos saber como ela se comporta na população acompanhando pacientes desde os primeiros sintomas", explica. Além disso, a rede quer verificar a hipótese de a chikungunya matar mais do que a dengue. "Infelizmente, o Ceará teve uma contribuição importante em relação aos óbitos porque foi o Estado onde a chikungunya mais matou (embora eu ache que só foi o Estado que mais notificou porque, muito provavelmente, eles estão sendo subnotificados em outros). O que tínhamos, até então, é que a chikungunya era uma doença que não matava".
Outras contribuições devem apontar que medicamentos podem prescrever dependendo de comorbidades do paciente (como diabetes), a influência da regionalidade no comportamento do vírus e a taxa de cronificação da doença. Hoje, o intervalo dado pela literatura científica varia de 30% a 70% - um hiato grande, na opinião de Pamplona. Levando o dado em consideração, entre 42 mil e 98 mil cearenses teriam algum tipo de sequela da chikungunya.
Panorama
O especialista adianta que, em breve, deve ser publicado um estudo revelando a diferença entre casos notificados, casos estimados na realidade e quantidade de pacientes crônicos nos municípios de Quixadá e Juazeiro do Norte. Pamplona faz parte do grupo de 40 estudiosos, de 25 instituições de pesquisa, interessados em apurar como a doença afeta a vida da população não apenas em termos clínicos, mas também econômicos, psicológicos e sociais. Durante os próximos três anos, cerca de duas mil pessoas devem ser examinadas em todo o País.
"Queremos entender quais são os fatores associados ao maior risco de complicação e cronificação e quais seriam as estratégias de tratamento mais efetivas", destaca o pesquisador principal da Replick e integrante do Laboratório de Pesquisa Clínica em Doenças Febris Agudas da Fiocruz, André Siqueira. Segundo ele, as pesquisas abrem horizonte para testes de vacina contra a doença, embora não a curto prazo. Reino Unido e México já realizam provas do tipo.
Por enquanto, nem há vacinas e nem medicamentos efetivos. A única forma de prevenção é eliminar possíveis criadouros do mosquito. "Quanto aos tratamentos, há um campo aberto", acredita o professor Bernardo Coutinho. Para o especialista, qualquer prática que favoreça a analgesia para condições dolorosas dos pacientes pode ser indicada.
Diário do Nordeste
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire