Você está em: CEARA // Notícia de Fagner Freire // 3 de maio de 2022

A família de João Gabriel Sousa da Silva, de 3 anos, denuncia que houve negligência médica no atendimento da criança no hospital de Itatira, no interior do Ceará. — Foto: Instagram/ Reprodução

O laudo cadavérico do menino João Gabriel, de 3 anos, que morreu após ser liberado duas vezes do hospital municipal de Itatira, no interior do Ceará, foi divulgado nesta segunda-feira (2) e apontou que a morte da criança foi causada por um choque séptico ocasionado por complicações de pneumonia aguda bilateral. A família soube do resultado por meio de uma entrevista que o delegado do caso deu a uma rádio da cidade.

O irmão do menino, o influenciador digital Paulo Henrique, narrou a saga da família em busca de atendimento para o garoto. Em uma série de stories, ele mostrou desde os primeiros atendimentos até o anúncio da morte do menino. O jovem mantém a denúncia de que houve negligência. O médico que atendeu a criança foi afastado e prestou depoimento à Polícia Civil no dia 25 de abril.

"Óbito em consequência de complicações de pneumonia aguda bilateral devida a Streptococcus pneumoniae. Outros diagnósticos: edema cerebral e necrose tubular aguda", diz um trecho do laudo cadavérico emitido pelo Serviço de Verificação de Óbito (SVO), o qual o g1 teve acesso.

Ainda de acordo com o documento, o exame detectou a bactéria Streptococcus pneumoniae, que está entre as principais causas da pneumonia e meningite, porém, há ausência de achados morfológicos compatíveis com meningite aguda.

"O crescimento de Streptococcus pneumoniae no exame de cultura de fragmento do pulmão, em fragmento do cérebro e o liquor e a sua detecção por PCR (reação em cadeia de polimerase) no liquor, no sangue e no fragmento de pulmão evidencia septecemia por este agente etiológico. Ausência de achados morfológicos macroscópicos e microscópicos compatíveis com meningite aguda".

Em nota, a Polícia Civil do Ceará informa que recebeu o laudo acerca da morte de um menino de três anos, ocorrida no último dia 18 de abril em uma unidade de saúde, no município de Itatira. "A Delegacia Municipal de Itatira, unidade responsável pelo caso, segue com as oitivas e diligências acerca do caso", disse a polícia.

Família soube do resultado do laudo pela imprensa

Conforme o advogado Igor Furtado, que representa a família de João Gabriel, os parentes da criança ficaram sabendo do resultado do laudo cadavérico no fim da manhã desta segunda-feira, através de uma entrevista que o delegado que investiga o caso deu para uma rádio da cidade.

Durante a entrevista, o delegado Gustavo Henrique, da Delegacia Municipal de Itatira, cita que o laudo constatou que a criança teve meningite. Versão que é contestada pela família e pelo que consta no documento.

"Os familiares se sentiram constrangidos ao ter conhecimento de algo tão sério por meio da mídia. Inclusive, o próprio advogado tomou conhecimento primeiro pelas redes sociais e posteriormente pelo delegado", disse Igor Furtado.

O advogado divulgou um vídeo falando sobre o caso, após o resultado do laudo ter se tornado público.

"O que está sendo apurado não é somente a causa-morte, mas todo o procedimento adotado desde o início, desde o primeiro atendimento desde o dia 17 de abril, por volta das 18h. Estamos tratando do falecimento de uma criança de 3 anos de idade", disse Igor.

Ainda conforme o advogado, ele fez novos requerimentos ao delegado, com a solicitação dos prontuários de atendimento da criança e o pedido para que outras pessoas sejam ouvidas.

Saga por atendimento

O influenciador digital irmão do menino descreveu a luta da família em busca de atendimento para o pequeno no Hospital Municipal, no Bairro Lagoa do Mato. Conforme o jovem, o irmão começou a passar mal no domingo (17), com febre e dor na garganta.

"Meu irmão estava com 39 graus de febre, levamos para o hospital no domingo. O médico atendeu, passou uma injeção, ele tomou a injeção e passou uns remédios para a minha mãe comprar e ela comprou. Ele tomou a injeção e nada da febre dele baixar, aí nós levamos para o enfermeiro. O enfermeiro deu um remédio que baixou a febre, ele melhorou mais e nós viemos para casa", afirma o irmão da vítima.

Na madrugada de segunda-feira, a criança teve uma piora em casa e foi levada novamente para a unidade.

    "Quando foi 1h da manhã meu irmão começou a gemer, falando de uma dor na barriga, a febre ficando muito alta de novo e nós levamos para o hospital novamente. Chegando lá, o vigia foi chamar o médico, o médico demorou mais de 30 minutos para descer. Ele passou mais duas injeções para o meu irmão, sendo que ele já tinha tomado uma, e a febre dele não baixou, estava em 38,1 graus e o médico mandou a gente vim para casa", disse Paulo Henrique.

Conforme o irmão, a família retornou para casa com João Gabriel, que adormeceu. No mesmo dia, horas depois, o menino acordou pior.

    "Quando ele chamou minha mãe ele já estava bem roxinho. Aí minha mãe deu entrada no hospital novamente com ele. Chegou lá o médico botou ele no soro. Quando foi 12h meu irmão começou a passar mal, tentaram reanimar, mas ele morreu", relata o influenciador.

De acordo com o irmão, a família pediu para transferirem a criança para um hospital de Canindé, porém o menino morreu antes de ser transferido. 


(g1)

Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire