Você está em: CEARA // Notícia de Fagner Freire // 17 de junho de 2020


Líderes de um grupo criminoso suspeito de cometer golpes por telefone para cobrar quantias em dinheiro foram presos na manhã desta quarta-feira (17), na segunda fase da Operação Precatórios, da Polícia Civil. As autoridades policiais cumpriram 11 mandados de prisão e oito mandados de busca e apreensão no Ceará.

De acordo com o delegado Matheus Zanatta, gerente da Polícia Especializada da Delegacia Geral de Polícia Civil do Piauí, a organização criminosa fez mais de mil vítimas, entre golpes consumados e tentativas. 

Na primeira fase da operação, em março de 2020, as investigações policiais descobriram que a quadrilha foi montada na Grande Fortaleza. Os líderes do grupo residiam principalmente em Maracanaú, Guaiuba e Pacatuba.

A operação foi realizada em conjunto com a Polícia Civil do Piauí. Cerca de 50 policiais trabalharam na operação. Há indícios de crimes na Paraíba, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

“Nesta segunda fase estamos combatendo a coordenação dessa organização criminosa. Ou seja, quem ‘canta’ o golpe pelo telefone, quem coordena todo o golpe praticado por esses investigados”, afirmou o delegado Zanatta.

Uma residência localizada no Icaraí foi identificada como central de telefonia de onde partiam as ligações para as vítimas.

A Operação Precatório contou com o apoio da Delegacia Metropolitana de Maracanaú, além de equipes do 18º, 24º e 28º Distritos Policiais da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE). No Piauí, a Gerência de Polícia Especializada da Delegacia Geral de Polícia Civil, a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) e a Diretoria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí (DINT-SSP) participaram da operação.

O golpe por telefone 

Os integrantes do grupo se passavam por servidores públicos e ligavam para as vítimas avisando que teriam dinheiro de precatórios disponível. Em seguida, eles repassavam o contato de outro integrante do grupo, que se identificava como desembargador. 

"Precatório é a forma que um ente público tem de realizar o pagamento devido ao autor de uma ação judicial. Os autores desses crimes verificavam no site dos tribunais a lista de cidadãos habilitados a receber precatório e então aplicavam uma engenharia social fazendo com que a vítima fizesse alguma espécie de pagamento prévio para então poder receber seus valores", explicou o delegado Zanatta.
O falso desembargador cobrava dinheiro das vítimas, afirmando ser taxas cartorárias. Os criminosos usavam ainda a pandemia para justificar o contato somente através do telefone. 

“A maioria das vítimas eram pessoas idosas e bastante vulneráveis, inclusive algumas declinaram que estavam em estado avançado de doenças degenerativas, como mal de Parkinson”, afirmou o delegado Yan Brainer



(Diário do Nordeste)
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire