Você está em: CEARA // Notícia de Fagner Freire // 19 de outubro de 2021

 


Usuários de aparelhos celulares do Ceará passaram a receber ligações misteriosas dos próprios números. Há relatos de clientes da operadora Oi em Fortaleza e outras cidades da Região Metropolitana, desde a semana passada, sobre este tipo de telefonema. "Fiquei com medo e não atendi", diz uma dona de casa que recebeu as ligações.

Os casos inusitados têm causado desconfiança e despertado a curiosidade dos proprietários das linhas ouvidos pelo g1, que estão em busca de uma resposta para saber o que está ocorrendo. Alguns deles chegaram a atender a ligação e não tiveram nenhuma resposta de quem estava do outro lado da linha. Já outros, preferiram não arriscar, por desconfiar que pode se tratar de alguma fraude.

O g1 entrou em contato com a operadora Oi, que informou que está apurando o caso, mas até a publicação desta matéria não deu resposta sobre a causa das ligações e como o problema será resolvido.

Anatel orienta a não atender as ligações e alerta sobre fraude

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) afirma que a recepção de chamadas do próprio número é sintoma de fraude, em que criminosos usam um recurso de falsificação da numeração original, criando alguma engenharia social para obter informações, dados, senhas, tokens de aplicações. O órgão recomenda que o consumidor não atenda as ligações.

Consumidor pode registrar o caso no Procon

O Procon Fortaleza orienta que, caso o consumidor se depare com uma ligação originada do próprio número de telefone, evite atendê-la, e que imediatamente acione a operadora de telefonia para registrar uma reclamação solicitando que não ocorra mais este tipo de chamada. Caso se repita, o consumidor pode procurar o Procon Fortaleza para registrar reclamação.

O Procon Fortaleza entende que as operadoras de telefonia são responsáveis pelo trânsito de chamadas e são veículos de transmissão de mensagens e/ou ligações telefônicas. "As operadoras têm que criar mecanismos de proteção dos dados dos consumidores", afirma a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo.

Ainda segundo o órgão, ainda não há registro de denúncias e reclamações sobre o assunto, tampouco, denúncias de golpes a partir do recebimento de chamadas originadas do mesmo número de telefone. 

Entre as pessoas pegas de surpresa com a ligação do próprio número está a dona de casa Maria Célia de Sousa Almeida, moradora de Maranguape, na Região Metropolitana, que recebeu a ligação nesta segunda-feira (18).

"Não atendi. Ligou três vezes, comentei com outras, que também me relataram que aconteceu o mesmo. Já tinha visto uma postagem em uma rede social sobre um caso parecido em São Paulo e que poderia ser golpe, então quando aconteceu comigo fiquei com medo e não atendi", relata Maria Célia.

O promotor de vendas Wellington Silva, morador de Itaitinga, começou a receber a ligação do próprio número na última sexta-feira (15). Depois disso, o caso se repetiu, chegando a ter oito ligações do próprio número somente nesta segunda.

“A primeira ligação recebi na sexta-feira. Estranhei, atendi, mas desliguei rápido. Ontem recebi cerca de oito ligações, mas não atendi, pois já tinha visto relato de outras pessoas que passaram pela mesma coisa. Inclusive, tenho colegas de Maracanaú e de Fortaleza em que aconteceram o mesmo", disse Wellington.

Segundo o jovem, ele usa chips de duas operadoras diferentes no aparelho celular e o problema está acontecendo apenas com uma delas. 

 

(G1/CE)

 

Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire